cyber

Ciberataques a pequenas e médias empresas aumentam 41% no Brasil

2 minutos de leitura

O índice registra as ocorrências de janeiro a abril e mostra que o principal foco dos criminosos é a rede da organização e roubo de senhas



Por Redação em 08/07/2022

Os registros de golpes digitais envolvendo pequenas e médias empresas (PMEs) brasileiras aumentaram 41% entre os meses de janeiro e abril de 2022, na comparação com o mesmo período de 2021, segundo a Kaspersky. O levantamento mostrou que os ataques visam, principalmente, roubar senhas corporativas (inclusive de acesso ao programa de internet banking da organização) e invadir redes de trabalho remoto. 

Os pesquisadores da Kaspersky verificaram que os bloqueios do Trojan-PSW (Password Stealing Ware), que tenta roubar senhas de acesso, aumentaram 143% no último ano no Brasil. Isso colocou o país em segundo lugar na América Latina em incidência deste tipo de ataque, atrás apenas do México.

O grande risco, no caso de empresas de menor porte, é o fato de que normalmente elas não contam com um time especializado em cibersegurança, de acordo com Roberto Rebouças, gerente-executivo da Kaspersky no Brasil. “Qualquer empresa – mesmo uma micro ou pequena — movimenta mais dinheiro do que uma pessoa comum, o que faz delas alvos mais lucrativos, e os criminosos estão de olho nessa vulnerabilidade”, afirmou. 

Fragilidade online das PMEs

Também houve aumento de ataques via internet, por meio de vírus hospedados em sites populares, que ao serem acessados podem infectar o dispositivo e obter dados nele armazenados. No Brasil, foram registrados mais de 2,6 milhões de casos deste tipo de golpe, quantidade 72% maior do que o segundo país da região (Peru).

Ataques ao protocolo Remote Desktop Protocol (RDP), que viabiliza o acesso remoto à rede, também foram identificados, sendo que foram registradas 20 milhões de tentativas no Brasil – quatro vezes mais do que na Colômbia, por exemplo.

Em ambos os casos, ao conseguirem acesso aos dados da rede, o principal risco é do golpe conhecido como ransonware, por meio do qual os criminosos literalmente sequestram as informações corporativas. 

Dentre as dicas da Kaspersky para reduzir o risco estão o treinamento das equipes, backups de dados feitos com frequência e atenção para a atualização de softwares. Além disso, a adoção de plataformas seguras, que permitem o acesso remoto confiável à rede corporativa, aplicações e informações em nuvem, como o SASE da Embratel, é um diferencial para as empresas, especialmente aquelas que atuam no modelo híbrido. 



Matérias relacionadas

ciberseguranca Estratégia

Big Data Analytics e Inteligência Artificial são pilares da cibersegurança

Para a Gartner, a análise de dados e soluções automatizadas são determinantes para a proteção de dados e estratégias de segurança digital

ciberseguranca pmes Estratégia

Falta de cibersegurança causa efeitos notórios nas PMEs, mostram pesquisas

Mais de 27% das pequenas e médias empresas (PMEs) não colocam a cibersegurança como prioridade no orçamento

migracao para cloud Estratégia

5 erros na migração para cloud

Planejamento e equipe capacitada estão entre os principais cuidados para as organizações que desejam fazer a migração para cloud

Ásia tecnologia Estratégia

Lições da Ásia para o futuro da tecnologia

Estudo aponta que haverá mais 900 milhões de usuários de internet na Ásia até 2025, o que demanda investimentos de mais US$ 151 bilhões em TI até esta data