Como uma tecnologia está remodelando a maneira de fazer encontros virtuais?

Como uma tecnologia está remodelando a maneira de fazer encontros virtuais?

3 minutos de leitura

De reunião de trabalho a treinamentos e palestras, tecnologia HoloPresence utiliza hologramas para engajar pessoas e gerar resultados.



Por Redação em 09/06/2021

De reunião de trabalho a treinamentos e palestras, tecnologia HoloPresence utiliza hologramas para engajar pessoas e gerar resultados.

Os encontros presenciais não estão mais populares desde o início da pandemia de COVID-19. O espaço físico deu lugar ao ambiente virtual e muitas empresas precisaram adaptar a forma de realizar eventos, conferências, reuniões e treinamentos.

Porém, se tornou cansativo o uso de inúmeras plataformas de videochamadas em que a interação é mínima. Essa “fadiga do Zoom”, termo trazido da imprensa norte-americana, tem duas consequências: a exaustão dos colaboradores e a obsessão pela própria imagem.

Como, então, engajar os colaboradores, líderes e outras pessoas que precisam constantemente estar presentes, ainda que virtualmente? Se depender da ARHT Media, empresa canadense do setor de eventos, o uso de holograma será o “novo normal” dos encontros virtuais.

A companhia patenteou a HoloPresence, uma tecnologia que projeta uma pessoa de forma bem realista a partir de hologramas. A novidade tem chamado atenção de diversas empresas, como a WeWork, que anunciou parceria com a ARHT Media para promover reuniões “presenciais”.

Em entrevista ao site Cheddar News, Larry O’Reilly, CEO da ARHT Media, contou um pouco como a tecnologia funciona.

Como é a tecnologia de holograma na prática?

O’Reilly explica que o holograma funciona a partir de um fundo de tela verde, bem semelhante a uma pessoa que apresenta a previsão do tempo em um telejornal. O conteúdo – seja de uma reunião, treinamento ou palestra – é gravado em 4K.

Após gravar todo o conteúdo, o arquivo de vídeo e o de áudio são compactados, criptografados e transferidos via conexão de internet. “Nós podemos exibir a pessoa gravada como um holograma em tamanho real”, disse o CEO.

O executivo ainda destacou que a baixa latência permite que o público tenha a percepção de que a pessoa está realmente no local apresentando algo. Leva menos de 0,03 segundo essa impressão, contou.

Quem já adotou a tecnologia conseguiu ver bons resultados, garante O’Reilly. A HoloPresence foi utilizada em uma conferência virtual da Novartis, empresa farmacêutica. Em uma apresentação, três pesquisadores discutiram e interagiram como se estivessem um do lado do outro.

Mas, na verdade, um estava na Austrália, outro na Alemanha e o terceiro na Grécia. “Isso foi tão impactante que a Novartis relatou que outras apresentações tiveram de 4 a 500 visualizações. Já a feita com nossa tecnologia chegou a 2.400 visualizações.”

Os setores que podem se beneficiar da tecnologia

De acordo com O’Reilly, diversos setores podem fazer uso da HoloPresence. Até então, a ARHT Media já atendeu empresas da área financeira, educacional, saúde e telecomunicações. Confira abaixo alguns casos de uso da tecnologia, retirados do site da ARHT Media.

– Finanças:
Uma instituição financeira realizou um evento, porém um imprevisto impossibilitou a participação presencial de um executivo. A ARHT Media montou um telão holográfico, captou as imagens desse líder e o transmitiu em tempo real, permitindo até uma interação com o público.

O uso da tecnologia levou o público a se engajar nas redes sociais, posicionando o cliente da ARHT como uma empresa inovadora e avançada em tecnologia.

– Educação:
Uma universidade de Londres adotou a tecnologia para oferecer as melhores palestras aos estudantes de MBA da instituição. Após realizar um evento que reuniu diversas mulheres líderes em TI, a universidade passou a oferecer eventos por meio de hologramas.

– Telecomunicação:
Uma operadora de telefonia chinesa contratou a HoloPresence para demonstrar os benefícios da tecnologia 5G. Essa parceria resultou em uma apresentação sobre como a adoção de hologramas pode fomentar o mercado de comunicação, assim como o de educação.

Quais as expectativas para o futuro?

Na conversa com o site Cheddar News, O’Reilly ressaltou que, hoje, a tecnologia pode ser usada para melhorar a comunicação dentro das empresas. “Todo mundo já ouviu falar de streaming, da fadiga [de ficar muito tempo na frente de uma tela] ou de ver muitas pessoas em uma tela só.”

Apesar de uma dinâmica diferente e com um uso mais corporativo, o CEO acredita que a tecnologia poderá estar nos lares das pessoas nos próximos cinco anos. O motivo é que a quantidade de inovações sendo lançadas pode fazer o preço da solução cair.

Porém, O’Reilly não deixou claro na entrevista se a tecnologia terá uma API para outras empresas customizarem a solução, embora ele tenha dito que “basta colocar uma camada em nosso software e pronto [sobre a redução de preço]”. Vamos acompanhar!

Principais destaques desta matéria

  • Tecnologia projeta holograma de uma pessoa em tamanho e tempo real.
  • Inovação pode mudar a forma como empresas fazem reuniões, palestras, mentorias e conferências virtuais.
  • Saiba mais da tecnologia e como ela pode ser usada em vários setores.


Matérias relacionadas

Inovação

Seul, na Coreia, testa plataforma no metaverso

A Praça da Cidade de Seul virtual e locais de eventos integram um programa piloto que pretende levar várias atividades para o metaverso

Inovação

Entenda como o 5G vai impulsionar o DeFi

A quinta geração de telefonia vai viabilizar diversas tecnologias, como a IoT, cujos dispositivos contribuem para a segurança e a descentralização da blockchain

Inovação

Metaverso é a nova dimensão do varejo

Para além do e-commerce tradicional, algumas redes varejistas estão propondo aos seus clientes experiências imersivas em um ambiente de realidade estendida

Inovação

6G somente em 2030

Sexta geração de telefonia trará ainda mais velocidade e estabilidade; porém, a previsão é de que esteja disponível apenas em 2030