varejo em 2022

Conheça as cinco tendências para o varejo em 2022

2 minutos de leitura

Digitalização foi um dos motivos para o bom desempenho do setor. Conheça as demais razões para o sucesso



Por Redação em 19/04/2022

O ominchannel e a gestão de dados em diferentes esferas figuram entre as principais tendências para o varejo neste ano, conforme avaliou em artigo Bernardo Borzone, diretor de Receitas na Pontaltech. Ele destacou que o segmento foi um dos poucos que mantiveram o crescimento mesmo durante a pandemia, inclusive em níveis acima da média do PIB nacional. E um dos motivos, mas não o único, para isso foi a digitalização. Veja, abaixo, as cinco principais tendências listadas para o varejo em 2022:

Ominchannel

o e-commerce se mostrou extremamente vantajoso para as vendas varejistas. Contudo, ele não deve ser o único foco de investimento. As lojas físicas ainda são muito buscadas por diversos consumidores que prezam pela experiência presencial e sensorial de experimentação dos produtos – o que acende a necessidade de uma comunicação contínua com as lojas online. A estratégia omnichannel foca na integração desses e também de outros canais em toda a jornada de compra, desde os preços cobrados de todos os produtos à qualidade de atendimento ao consumidor. Qualquer diferença será claramente perceptível e certamente prejudicial ao negócio.

Controle logístico

Com o isolamento social, o sistema logístico foi obrigado a se revolucionar, de forma que o varejo conseguisse atender a enorme demanda das compras online. O tempo de entrega dos produtos que antes era consideravelmente longo, hoje foi reduzido significativamente – otimizando todo o processo interno e aumentando a percepção de valor pelo cliente. Diante dessa valorização e do contínuo crescimento do comércio online, os varejistas devem sempre focar na aplicação de sistemas inteligentes ao processo, com foco na velocidade e qualidade na entrega.

Social commerce

Entender o perfil do consumidor é uma das estratégias mais importantes para os lojistas, possibilitando que conheçam suas preferências de compras e, assim, possam oferecer produtos direcionados a seus desejos. Com o e-commerce, ficou muito mais fácil coletar esses dados, tratá-los adequadamente e usá-los como base de análise devido ao grande volume de informações capturadas dos usuários. Essa deve ser uma ação prioritária para o varejo, de forma que consiga ser cada vez mais assertivo em suas ações.

Coleta de dados

coleta de dados

As redes sociais se tornaram ferramentas de divulgação extremamente eficazes para as empresas. Como parte dessa estratégia, muitos varejistas vêm investindo no trabalho de influenciadores para divulgar seus produtos e serviços – seja experimentando peças de roupa e mostrando o caimento ou compartilhando sua experiência com o produto em si com seus milhares de seguidores. Outra opção, ainda, é usar tais canais como foco de pesquisa de opiniões dentre amigos e conhecidos, formando uma verdadeira comunidade social para debate de opiniões.

Conversational commerce

A tecnologia é uma verdadeira aliada do atendimento ao cliente. Mas, isso não significa que deva ser usada a todo momento. Muitos clientes valorizam um atendimento próximo e personalizado, de forma que, ao serem abordados por um profissional para saber sua experiência com a marca e oferecer ofertas personalizadas, se sentem mais importantes e satisfeitos. O conversational commerce foca na presença humana como parte fundamental da jornada de compra, contribuindo para que o cliente não se sinta como “apenas mais um” dentre tantos.



Matérias relacionadas

zero trust Estratégia

Entenda o conceito de segurança Zero Trust

Com a nuvem, cada vez mais os usuários e dispositivos acessam dados de suas empresas a partir de qualquer lugar, o que aumenta a vulnerabilidade

redes neutras Estratégia

Redes neutras de fibra óptica viabilizam novos negócios

Redes neutras para conexão de banda larga estão amadurecendo novos modelos de negócios para provedores de acesso à internet e investidores

habilita o varejo Estratégia

Tecnologia se tornou espinha dorsal que habilita o varejo

Em entrevista, Daniel Feche, da Embratel, explica que a pandemia não só acelerou a digitalização do varejo como também mostrou a relevância das tecnologias para os negócios

home office microsoft Estratégia

Para CEO da Microsoft, home office abre várias oportunidades

Tânia Cosentino, CEO da Microsoft, diz que o home office veio para ficar e que o modelo de trabalho flexível permite que empresas, principalmente de tecnologia, retenham talentos