Data center está com os dias contados, segundo previsão da Gartner

Data Center está com os dias contados? | Mundo + Tech

3 minutos de leitura

Consultoria aposta em computação sem servidor, inteligência artificial e edge computing como outras tendências que apoiarão a infraestrutura digital.



Por Redação em 20/02/2019

O data center tem papel fundamental nos negócios de uma empresa. É ele que concentra todo o tráfego de dados e garante a conexão e disponibilidade das soluções para os clientes. Mas os seus dias estão contados. Segundo o site ITForum365, a consultoria Gartner prevê que, até 2025, é possível que 80% das organizações migrem os dados para outros ambientes.

“Os líderes de Infraestrutura e Operações (I&O) devem se preparar para esse movimento, ajustando as cargas de trabalho com base nas necessidades dos negócios e não se limitando a decisões baseadas em localização físicas”, afirma Ross Winser, diretor de pesquisa sênior da Gartner.

A expectativa é que essas empresas passem a utilizar colocation, hosting ou cloud como substitutos ao data center. “Os líderes devem identificar se existem razões verdadeiramente estratégicas para persistir com necessidades locais”, complementa o diretor.


O que é colocation, hosting e cloud?

Colocation: data center independente que compartilha a hospedagem para vários servidores, de diversas organizações;

Hosting: provedor do serviço aluga um servidor completo e oferece aos seus clientes hardware, sistema operacional, conexão com internet e largura de banda;

Cloud: espaço de armazenamento virtual sob demanda.

Outras tendências para a infraestrutura digital

Winser detalha ainda que o momento é de entregar produtos e serviços que suportem e permitam a estratégia de negócios das organizações. “O foco dos líderes desse setor [infraestrutura e operações] não é mais entregar apenas engenharia e processos para as operações”, diz.

Além do “início” do fim do data center, a Gartner separou algumas tecnologias e tendências que poderão influenciar a infraestrutura digital de uma empresa ainda em 2019.

Computação sem servidor (Serverless)
Ainda uma tecnologia emergente, a computação sem servidor elimina as tarefas de gerenciamento de infraestrutura. Com isso, a empresa pode criar aplicações com maior agilidade e menor custo.

Essa solução não vai substituir aplicações de contêineres ou máquinas virtuais, mas Winser estima que “20% das organizações globais implementarão tecnologias de computação sem servidor até 2020”. Atualmente, o formato está presente em 5% das companhias.

Inteligência Artificial (AI)
Essa tecnologia pode ajudar no gerenciamento de infraestruturas em expansão e os negócios derivados da AI terão impacto de US$ 3,9 trilhões até 2022.

Rede
A alta disponibilidade da rede será pauta em 2019 e nos próximos anos. Winser pontua que a “criação de um ambiente com automação e análise, capaz de lidar com mudança real das empresas” pode ser uma resposta para manter o ritmo de trabalho da equipe, mas atendendo às necessidades dos clientes com mais agilidade.

É o caso da WAN definida por software (SD-WAN). A solução é capaz de reconhecer e se adaptar ao tipo de fluxo de dados e, a partir disso, demandar mais ou menos recursos, de acordo com as necessidades do momento.

A chegada do 5G, maturidade das soluções em cloud e mais dispositivos IoT no mercado irão aumentar a demanda por melhor performance da rede. “Então o período crítico para lidar com este desafio é agora”, diz.

Computação de borda (edge computing)
A edge computing irá potencializar o uso de solução em cloud nas empresas, ainda mais com dispositivos IoT cada vez mais disponíveis.

O processamento das informações acontece na borda, ou seja, o processo e a análise de dados acontecem localmente, na origem dos dados, sem ser preciso esperar uma resposta do data center para a tomada de decisão. “O prazo crítico para as organizações adotarem essa tendência é entre 2020 e 2023”, estima Winser.

Principais destaques:
– Gartner estima que 80% das empresas devem migrar dados de data center para outros ambientes até 2025;
Colocation, hosting e cloud serão as opções para essa migração;
– Outras tendências para a infraestrutura digital são Inteligência Artificial, computação sem servidor, agilidade da rede e edge computing.



Matérias relacionadas

cidades inteligentes Inovação

Tecnologia habilita cidades inteligentes

A tecnologia permite que os municípios entendam as demandas dos cidadãos, invistam em segurança pública, melhorem o trânsito, entre outros quesitos das cidades inteligentes

usina de Ouro Branco Inovação

Parceria com Embratel habilita indústria 4.0 na Gerdau

Com tecnologia da Embratel, a Gerdau vai implantar uma rede privativa dedicada 5G e LTE 4G em uma de suas fábricas, viabilizando os conceitos da indústria 4.0

Inovação

Desenvolvimento de IA dá lugar a BPO em planejamento de CFOs, aponta Gartner

Departamentos financeiros vão investir em outsourcing para implementar inteligência artificial em seus negócios em busca de mais sucesso nos projetos

Inovação

Metaverso exigirá mais cuidado com proteção de dados

O uso de um óculos de realidade aumentada por cerca de 20 minutos pode levar à captação de 20 milhões de dados de reações, biometria e comportamento