Desenvolvimento de IA dá lugar a BPO em planejamento de CFOs, aponta Gartner

2 minutos de leitura

Departamentos financeiros vão investir em outsourcing para implementar inteligência artificial em seus negócios em busca de mais sucesso nos projetos



Por Redação em 04/07/2022

O novo relatório Predicts 2022: Digital Finance Transformation via AI-Enabled Outsourcing, do Gartner, aponta que metade dos CFOs entrevistados vão abrir mão de projetos de inteligência artificial (IA). Implementações dessa tecnologia vão ser canceladas ou atrasadas até 2024. Em contrapartida, a terceirização de processos de negócios (BPO) para IA aumentará de 6% para 40% em dois anos.

Segundo a pesquisa, os departamentos financeiros enfrentam desafios para ampliar o uso de IA internamente e o BPO surge como uma opção para cumprir os objetivos de transformação digital. Os pesquisadores apontam que os desafios surgem ao tentar implementar soluções para gerenciar as complexidades da inteligência artificial. Além disso, também há os custos iniciais para a construção de uma infraestrutura para processamento de IA e a dependência de desenvolvedores qualificados.

A pesquisa ainda aponta dúvidas que projetos de IA apresentam e diz que a automação em finanças não costuma atender aos benefícios esperados. Os pesquisadores ressaltam que muito disso se deve à falta de processos automatizados verdadeiramente funcionais. A avaliação é que uma proporção significativa do trabalho de automação falha e é redirecionada para um humano tratar manualmente e, sem corrigir esse estado de “automação falsa”, os departamentos financeiros terão dificuldades para dimensionar soluções automatizadas, como IA, de forma eficaz em toda a função.

E o BPO?

Por outro lado, o outsourcing pode ser uma saída para inovar de fora para dentro. A pesquisa aponta que o BPO para IA só é utilizado por 6% das empresas entrevistadas, mas pode chegar a 40% até 2024, à medida que os benefícios de implementar uma solução pronta de IA no mercado se tornem mais aparentes aos CFOs.

Três vantagens atrairiam os CFOs nesse sentido, começando por uma oferta de serviço de IA para processos transacionais, com os fornecedores que já contam com certificações de nuvem necessárias. Depois, também há a maior experiência com IA que os BPOs têm, junto com um conjunto de dados maior. Por fim, os provedores já contam com tecnologia de IA em muitas soluções, que podem vir a complementar as necessidades dos departamentos financeiros.

Ainda segundo o Gartner, à medida que o número de soluções e usuários de IA cresce, aumenta também a complexidade nos esforços de dimensionamento. Os CFOs que tentarem manter a IA internamente atingirão um teto de produtividade. A dificuldade está na complexidade de manter os projetos, que acaba sobrecarregando os recursos internos e retarda ou impede a implantação de novas soluções.



Matérias relacionadas

metaverso corporativo Inovação

4 casos de uso do metaverso no ambiente corporativo

De processos seletivos a reuniões, o metaverso possibilita experiências diferenciadas e interativas aos profissionais

Inovação

Viena avança como cidade inteligente com plataforma de dados urbanos em código aberto

A capital da Áustria, Viena, avança como cidade inteligente com gestão de dados em código aberto para mobilidade, saneamento e energia

cidades inteligentes Inovação

Tecnologia habilita cidades inteligentes

A tecnologia permite que os municípios entendam as demandas dos cidadãos, invistam em segurança pública, melhorem o trânsito, entre outros quesitos das cidades inteligentes

usina de Ouro Branco Inovação

Parceria com Embratel habilita indústria 4.0 na Gerdau

Com tecnologia da Embratel, a Gerdau vai implantar uma rede privativa dedicada 5G e LTE 4G em uma de suas fábricas, viabilizando os conceitos da indústria 4.0