Inteligência de Decisão o próximo nível de business intelligence (BI)

Inteligência de Decisão: o próximo nível de business intelligence (BI)

3 minutos de leitura

Com uso de Inteligência Artificial e Machine Learning, a Inteligência de Decisão consegue processar grandes quantidades de dados de toda a empresa.



Por Redação em 05/03/2021

Com uso de Inteligência Artificial e Machine Learning, a Inteligência de Decisão consegue processar grandes quantidades de dados de toda a empresa.

Muitas empresas já fazem uso de Business Intelligence (BI) para tocar seus negócios. Se a adoção de plataformas de BI permite às organizações acharem um rumo para as decisões de determinado setor, como expandi-las para toda a companhia? É aí que entra a Inteligência de Decisão (ID).

Esse conceito “é a capacidade da empresa de processar grandes quantidades de dados para tomar decisões”, comenta Nicole France, analista da Constellation Research, para um artigo do site CIO.com. Porém, o que o diferencia de Business Intelligence é o contexto.

As plataformas de BI reúnem os dados do passado para, assim, uma pessoa tentar interpretá-los e tomar uma decisão. É uma tecnologia que não possui “parceiras” para facilitar a contextualização de informações mais complexas, por exemplo.

Então temos a Inteligência de Decisão, que vai usar Inteligência Artificial (IA) e Machine Learning (ML) para prover dados mais entendíveis, descomplicando análises mais complexas e agilizando uma tomada de decisão.

Seria como você assistir sempre filmes de terror na Netflix e, além da plataforma recomendar títulos que poderiam te agradar, se antecipar e mandar uma notificação sobre um lançamento do gênero. Provavelmente você verá de forma positiva essa experiência.

Assim é a expectativa com a Inteligência de Decisão. Para os tomadores de decisão, é ter um contexto, já que a grande quantidade de dados fornece “um grau de complexidade que é difícil de acertar”, ressalta France.

Por que as empresas estão apostando na Inteligência de Decisão?

A Inteligência Artificial foi uma das tecnologias de destaque desde o início da pandemia de COVID-19. Uma pesquisa da 451 Research mostrou que 95% das empresas entrevistadas associam a IA com transformação digital.

Dentre os diversos casos de uso da tecnologia, muitas organizações têm adotado a Inteligência Artificial em plataformas de Data & Analytics (contamos até 5 tendências para sua empresa ficar de olho em 2021 neste artigo do Mundo + Tech).

Já um estudo divulgado este ano pela RevealBI mostrou que 41% das empresas pesquisadas buscam tomar decisões baseadas em dados interpretados por IA. Enquanto isso, 16% esperam incorporar Machine Learning nos próximos anos quando 6% já fazem uso da tecnologia.

Quando uma empresa integra essas duas tecnologias a um dashboard analítico, ela vai permitir que a pessoa responsável pela tomada de decisão saiba prever e recomendar estratégias a qualquer momento e em qualquer lugar – de maneira fácil e inteligente.

A adição de IA ou ML a uma plataforma de inteligência de negócios permite que o software evolua para uma plataforma de inteligência de decisão, fornecendo contexto, previsões e recomendações para quando (e onde) o tomador de decisão precisar.

A popularização da Inteligência de Decisão nos negócios chamou até a atenção da consultoria Gartner. Até 2023, a previsão é que mais de um terço de grandes organizações terão analistas usando essa abordagem nas operações e processos.

Dois exemplos do uso de ID em organizações

Como já citamos, a Inteligência de Decisão não somente ajuda uma empresa a tomar as melhores decisões, mas possibilita fazê-las com agilidade. Abaixo, confira dois casos destacados pelo site CIO.com de empresas que fazem uso dessa abordagem.

– Departamento de Veículos Motorizados na Califórnia:
O Departamento de Veículos Motorizados da Califórnia (DMV, na sigla em inglês para Department of Motor Vehicles) – o correspondente ao nosso Detran – começou a implementar processos inteligentes em suas operações quando a pandemia atingiu os Estados Unidos.

Então, para evitar que pessoas passassem muito tempo dentro do DMV para pegar suas habilitações, a entidade usou Inteligência de Decisão para agilizar o atendimento, uma vez que a o estado passou a emitir carteiras de habilitação digitais.

Com a abordagem, o DMV reduziu a espera por atendimento presencial de 27 para 10 minutos. Além disso, diminuiu o uso de papel para evitar a transmissão do coronavírus e desenvolveu um chatbot para responder dúvidas básicas de clientes e funcionários.

– Cato Networks:
A Cato Networks adotou a Inteligência de Decisão para prover maior segurança cibernética. Com o uso de IA e ML, os analistas conseguem prever a probabilidade de um domínio e endereço de IP serem maliciosos.

Isso possibilitou a equipe responsável em detectar ameaças a priorizar quais serão investigadas. Muito porque a plataforma de ID ajudou a criar um modelo de reputação. Em mais de um ano com essa abordagem, a Cato mantém um baixo índice de falso positivo.

Principais destaques desta matéria

  • Inteligência de Decisão é uma evolução do Business Intelligence (BI).
  • Abordagem usa Inteligência Artificial e Machine Learning para criar contexto dos dados analisados.
  • Expectativa da consultoria Gartner é que, até 2023, grandes companhias façam uso da metodologia para tomar decisões de negócio.


Matérias relacionadas

cidades inteligentes Inovação

Tecnologia habilita cidades inteligentes

A tecnologia permite que os municípios entendam as demandas dos cidadãos, invistam em segurança pública, melhorem o trânsito, entre outros quesitos das cidades inteligentes

usina de Ouro Branco Inovação

Parceria com Embratel habilita indústria 4.0 na Gerdau

Com tecnologia da Embratel, a Gerdau vai implantar uma rede privativa dedicada 5G e LTE 4G em uma de suas fábricas, viabilizando os conceitos da indústria 4.0

Inovação

Desenvolvimento de IA dá lugar a BPO em planejamento de CFOs, aponta Gartner

Departamentos financeiros vão investir em outsourcing para implementar inteligência artificial em seus negócios em busca de mais sucesso nos projetos

Inovação

Metaverso exigirá mais cuidado com proteção de dados

O uso de um óculos de realidade aumentada por cerca de 20 minutos pode levar à captação de 20 milhões de dados de reações, biometria e comportamento