Varejo eletrônico: mais de 86% dos e-commerces vendem por redes sociais

2 minutos de leitura

Com o crescimento do e-commerce durante a pandemia, mais de 80% dos varejistas usam redes sociais como estratégia de vendas, diz IDC



Por Redação em 10/05/2022

A transformação digital do varejo, que já dava seus primeiros passos nesse sentido, se consolidou durante a pandemia, com o crescimento do e-commerce e uso de ferramentas tecnológicas para impulsionar as vendas e proporcionar uma boa experiência de compra aos clientes. 

Hoje, de acordo com uma pesquisa da IDC, realizada a pedido do Infobip, mais da metade (54%) da receita dos varejistas resulta de compras feita por meio de plataformas como Instagram e Facebook e, consequentemente, mais de 80% deles utilizam essas redes sociais para alavancar suas vendas. 

O estudo mostrou, também, que 33% das empresas querem oferecer produtos e serviços digitais aos consumidores, seja porque os clientes exigem, seja porque 23% delas querem ser inovadoras. Aliás, o ponto mais citado pelos varejistas entrevistados pela IDC foi a necessidade de inovação para manter as vendas e operação, seguida do suporte e atendimento ao cliente de forma virtual.

Redes sociais contribuem para entender o comportamento do consumidor

Para os entrevistados, um dos grandes desafios é acompanhar o comportamento dos clientes, seguir engajamento e melhorar a comunicação, além de integrar as plataformas digitais.

“Os varejistas devem construir alianças e buscar plataformas integradas para criar uma estratégia omnichannel, que integre espaços físicos e virtuais (e-commerce, redes sociais, chamadas ou aplicativos)”, disse Yuri Fiaschi, VP Global de vendas da Infobip, segundo o Mercado & Consumo.

Em entrevista exclusiva ao Próximo Nível, Daniel Feche, Head de Varejo para Soluções Digitais da Embratel, destacou que as mídias sociais são poderosas plataformas de vendas. “Porém, devemos ter o cuidado de não transformá-las em ambientes de reclamação e descontentamento”, alertou. 

De acordo com o especialista, soluções que buscam a gestão desse ambiente são mais do que necessárias, direcionando demandas e comentários para canais corretos de auxílio. “Cada vez mais as mídias sociais ditarão tendências e recomendações para os clientes e deverão trabalhar de forma integrada com outras frentes do negócio”, afirmou. 



Matérias relacionadas

redes neutras Estratégia

Redes neutras de fibra óptica viabilizam novos negócios

Redes neutras para conexão de banda larga estão amadurecendo novos modelos de negócios para provedores de acesso à internet e investidores

habilita o varejo Estratégia

Tecnologia se tornou espinha dorsal que habilita o varejo

Em entrevista, Daniel Feche, da Embratel, explica que a pandemia não só acelerou a digitalização do varejo como também mostrou a relevância das tecnologias para os negócios

home office microsoft Estratégia

Para CEO da Microsoft, home office abre várias oportunidades

Tânia Cosentino, CEO da Microsoft, diz que o home office veio para ficar e que o modelo de trabalho flexível permite que empresas, principalmente de tecnologia, retenham talentos

varejo em 2022 Estratégia

Conheça as cinco tendências para o varejo em 2022

Digitalização foi um dos motivos para o bom desempenho do setor. Conheça as demais razões para o sucesso