Cibersegurança: 9 tendências que devem impactar o setor em 2023

3 minutos de leitura

Segundo análise e projeção de especialistas, a crise econômica é determinante para encorajar a ação de criminosos



Por Redação em 27/02/2023

A Lumu Technologies, empresa que mede o impacto do crime no ambiente digital, divulgou as tendências do setor de cibersegurança para 2023, onde aponta que a crise econômica abre oportunidades para a ação dos criminosos.

De acordo com Germán Patiño, vice-presidente de vendas da Lumu Technologies para a América Latina, a constatação é uma das tendências para a ciberesegurança neste ano e abre caminho para que esse mercado também se desenvolva com mais rapidez. “O cenário de segurança cibernética tende a evoluir rapidamente, e 2023 será especialmente volátil. Superar essa volatilidade exigirá ter informações rápidas e precisas na ponta dos dedos”, disse.

Confira o levantamento feito pela empresa, que lista as 9 tendências que devem impactar a cibersegurança em 2023.

1. Crise econômica impulsiona a criatividade do cibercriminoso

tendencias cibercriminoso

À medida que as economias enfraquecem, mais pessoas vão recorrer ao crime cibernético como fonte de renda. Isso levará a uma maior diversificação e criatividade na indústria do cibercrime. Os cibercriminosos vão encontrar novos vetores e vão atacar novos alvos, incluindo pequenas empresas. As organizações que atrasam os projetos de defesa correm maior risco.

2. A interconectividade da API será aproveitada em um ataque cibernético multimilionário

O mundo está cada vez mais interconectado por APIs. Cada uma dessas conexões apresenta um novo risco e uma nova via de ataque. Os cibercriminosos devem aproveitar essas interfaces para promover um ataque sem precedentes à cadeia de suprimentos.

3. Risco de ataques à infraestrutura crítica e interrupção de serviços vitais

O ataque Colonial Pipeline de 2021 foi uma prévia em comparação com o que os agentes de ameaça poderiam fazer. Apesar de um esforço federal coordenado para reforçar a preparação cibernética da infraestrutura crítica, estamos atrasados para criar estruturas de proteção. Para 2023, existem riscos de ataques cibernéticos que interrompam o acesso à água, eletricidade, gás ou internet.

4. Tribunais estão na mira dos cibercriminosos

tendencias ciberseguranca

Os tribunais federais também são vulneráveis. O ataque de um cibercriminoso pode levar à exclusão de registros e colocar o sistema de justiça criminal em desordem. Embora eles possam fazê-lo só com a intenção de causar o caos, é mais provável que o façam pelo pedido de resgate (ransomware).

5.  Gangues de ransomware não serão processadas

Apesar dos esforços para se vingar dos ataques de ransomware – como no caso do governo australiano, visando os responsáveis pela violação do Medibank – a Lumu Technologies prevê que nenhum grupo especializado em ransomware vai sofrer consequências legais. Muitos deles são quase impossíveis de rastrear e podem facilmente desmontar sua operação. Os políticos, por sua vez, tendem a não priorizar a questão do cibercrime, justamente por medo de se tornarem alvos.

6. Visibilidade e análise serão âncoras das operações de segurança cibernética

As organizações vão perceber que, sem visibilidade, suas redes estão à deriva. O NG-SIEMS (gerenciamento de eventos e informações de segurança) e o XDR (detecção e resposta estendidas) provarão ser muito lentos e complicados para detectar intrusões.

7. Tendências de cibersegurança envolvem empoderamento do operador

tendencias ciberseguranca

A indústria, finalmente, vai lidar com o esgotamento generalizado do profissional. Isso exigirá disponibilizar as informações de que os operadores precisam na ponta dos dedos, colocando toda a planilha na mesma página, usando automação quando aplicável e filtrando falsos positivos. O operador habilitado também terá mais voz nas ferramentas que deseja empregar em sua arquitetura.

8. Zero Trust torna-se padrão

tendencias ciberseguranca

Zero Trust é uma estratégia de segurança aceita há muito tempo, com o apoio de especialistas e adoção em nível empresarial. Neste ano, a adoção tende a se tornar comum. Projeções anteriores mostram que o mercado Zero Trust alcançaria US$ 79 bilhões até 2027; a Lumu Technologies prevê que essa marca ultrapasse US$ 100 bilhões.

9. Phishing evolui para permanecer no topo

Os agentes de ameaças estão sempre visando o “elemento humano”, e o phishing continuará sendo a maneira mais eficaz de obter acesso inicial. As variações atuais de phishing incluem smishing, spear phishing e whaling. A próxima geração de phishing será mais personalizada e melhor na conversão, por meio de aprimoramentos de aprendizado de máquina, processamento de linguagem natural, deep fakes e mineração de dados.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

computacao em nuvem Estratégia

Computação em nuvem pode gerar economia de US$ 3 trilhões até 2030

Relatório da consultoria McKinsey aponta melhorias que a tecnologia vai agregar

golpes digitais cresceram Estratégia

Golpes digitais cresceram 35% em 2023

Os golpes bancários ainda lideram a lista por segmentos, no Brasil

ia em bancos Estratégia

Uso de IA em bancos traz hiperpersonalização de atendimento

Instituições financeiras apostam na tecnologia para replicar conceito de private banking no varejo

tentativas de fraude Estratégia

Vendas de fim de ano registram cerca de R$ 83,8 milhões em tentativas de fraude

Contudo, estudo realizado pela ClearSale revelou queda de 15,7% no valor das tentativas, em relação a 2022