Nara Zarino, do iFood, fala sobre espírito de startup na Amcham Talks

4 perguntas sobre o espírito de uma startup para Nara Zarino, do iFood

3 minutos de leitura

Você provavelmente já ouviu falar sobre fintechs. Mas você sabe o que são foodtechs? São as empresas de tecnologia que tem a comida como, digamos, ativo principal. Nara Zarino, coordenadora de comunicação institucional da iFood, falou sobre a trajetória do unicórnio brasileiro que tem crescido 130% ao ano há oito anos. Confira a seguir a conversa que o Mundo + Tech fez com a executiva após a sua apresentação no Amcham Talks 2019.



Por Redação em 15/04/2019

Você provavelmente já ouviu falar sobre fintechs. Mas você sabe o que são foodtechs? São as empresas de tecnologia que tem a comida como, digamos, ativo principal. Nara Zarino, coordenadora de comunicação institucional da iFood, falou sobre a trajetória do unicórnio brasileiro que tem crescido 130% ao ano há oito anos. Confira a seguir a conversa que o Mundo + Tech fez com a executiva após a sua apresentação no Amcham Talks 2019.

Mundo + Tech: Qual é o segredo para conseguir dar o salto que o iFood conseguiu, de começar como uma startup e chegar ao ponto que está hoje?
Nara Zarino:
O palco que estamos aqui no evento (montanha russa) tem tudo a ver com o crescimento acelerado de uma startup. Como a gente consegue isso? Inovando e investindo em pessoas e tecnologias. Pensando que a gente recebeu um grande aporte (de US$ 500 milhões em 2018), no que vamos investir? Em pessoas e inovação. Esse é meio o segredo. E, também seguindo muito o nosso propósito e valor, que é de revolucionar o cenário da alimentação para uma vida mais prática e prazerosa. Então a gente tem um norte, onde quer chegar, nosso potencial de mercado.

M+T: O que vocês pretendem investir em tecnologia e pessoas?
NZ:
Estamos investindo muito na questão de desenvolvimento e focados também em inteligência artificial. Não só estamos contratando muita gente para essas áreas, mas a gente entende que tem o papel de desenvolver isso. Fizemos uma parceria com a Unicamp para não só desenvolver as pessoas de dentro do nosso grupo, mas também a comunidade. A gente vem fazendo recrutamentos no país todo, mas a gente entende que precisa crescer de forma tão acelerada que também é necessário desenvolver esse mercado.

M+T: Como a IA pode ajudar as foodtechs?
NZ:
Posso dar dois exemplos. Nós temos um pós-venda que explica para o restaurante que o que ele precisa fazer para performar melhor. Mas são 66 mil restaurantes cadastrados e não temos 66 mil pessoas para cuidar de cada restaurante. O que a gente faz é, por meio de dados preditivos, encontrar os restaurantes que estão performando melhor, de acordo com um perfil, para usá-lo como bench para que o sistema aprenda e comece a ensinar outros restarantes a entregar melhor no delivery. O próprio sistema vai identificando oportunidades de melhoria. Outro exemplo é a parte operacional de entrega, para o entregador chegar no restaurante quando a comida está pronta. Hoje, o entregador fica um tempo parado aguardando a comida ser feita. Com a Inteligência Artificial a gente já consegue testar um tempo melhor para o entregador chegar quando a comida estiver praticamente pronta, e assim ele fica menos tempo parado. E o restaurante também se beneficia porque a comida sai numa temperatura adequada. A gente impacta a experiência de todo mundo com inteligência artificial.

M+T: Quanto é importante de vocês manterem a lógica de startup dentro da empresa?
NZ:
Todas as áreas de negócios que surgiram de um ano para cá no iFood, tudo isso surgiu a partir dessa lógica, do “intraempreendedorismo”. A gente comprou uma startup que trabalhava com marcas premium (Spoon Rocket) e aí virou uma startup dentro do iFood e conseguimos com isso desmistificar que o delivery era uma comida de baixa qualidade e ticket médio baixo. O iFood Shop (que conecta restaurantes a fornecedores) nasceu de uma teoria: se a gente for um parceiro ideal, não apenas de negócio comercial, se a gente entregar além do esperado e gerando uma economia, será que vai funcionar? Você vai fazendo testes que viram áreas de negócios ou produtos dentro da própria empresa.

Confira outras entrevistas exclusivas com os participantes do Amcham Talks 2019

Perguntas sobre inovação para André Oliveira, da Embratel
Victor Navarrete, da ACE Startups, fala sobre a corrida pela inovação na Amcham Talks 2019
Tulio Kehdi, da Raccoon, fala sobre LGPD e segurança dos dados na Amcham Talks 2019
Thiago Chueiri, da PayPal, fala sobre experiência do usuário na Amcham Talks 2019
Arthur Rufino, CEO da JR Diesel, fala sobre inovação e negócios sociais na Amcham Talks 2019
Simone Kliass e Jason Bermingham falaram sobre assistentes virtuais na Amcham Talks 2019
Guilherme Leonel, da LexDesign, fala sobre como a inovação pode transformar e humanizar o direito na Amcham Talks 2019
Beia Carvalho palestra na Amcham talks 2019
Sérgio Alexandre, da PwC, fala sobre ser digital na Amcham Talks 2019
Felipe Barreiros, da Vaivoa, fala sobre como é empreender no Brasil na Amcham Talks 2019
João Maia, da Venturus
Bruno Bragazza, da Bosch, fala sobre os aprendizados que empresas podem ter com startups na Amcham Talks 2019

Foto: Matheus Campos/Amcham Brasil



Matérias relacionadas

ciberseguranca pmes Estratégia

Falta de cibersegurança causa efeitos notórios nas PMEs, mostram pesquisas

Mais de 27% das pequenas e médias empresas (PMEs) não colocam a cibersegurança como prioridade no orçamento

migracao para cloud Estratégia

5 erros na migração para cloud

Planejamento e equipe capacitada estão entre os principais cuidados para as organizações que desejam fazer a migração para cloud

Ásia tecnologia Estratégia

Lições da Ásia para o futuro da tecnologia

Estudo aponta que haverá mais 900 milhões de usuários de internet na Ásia até 2025, o que demanda investimentos de mais US$ 151 bilhões em TI até esta data

varejo tecnologia Estratégia

Varejo usa tecnologia para entregar boa experiência de consumo 

Com participação do Boticário, 5º episódio da minissérie Empresas Líquidas mostra como os dados e a tecnologia empoderam o cliente no varejo