As oportunidades de inovação no agronegócio

As oportunidades de inovação no agronegócio

3 minutos de leitura

Em evento sobre agronegócio, Eduardo Polidoro, diretor de IoT da Claro/Embratel, destacou as tecnologias que impulsionam o setor.



Por Redação em 07/05/2021

Em evento sobre agronegócio, Eduardo Polidoro, diretor de IoT da Claro/Embratel, destacou as tecnologias que impulsionam o setor.

As oportunidades de inovação no agronegócio são muitas: de sensores inteligentes a Blockchain, o uso dessas tecnologias pode tornar o setor líder no avanço do PIB brasileiro. Essa foi uma das discussões do AGROtic, evento promovido pela Tele.Síntese e que contou com a participação de Eduardo Polidoro, diretor de IoT da Claro/Embratel.

O agronegócio representou, em 2019, 23,5% do PIB nacional, mas ainda há uma grande lacuna de conectividade no setor, afirmou Polidoro. O executivo destacou que um dos investimentos da empresa de telefonia é, justamente, fomentar ainda mais a internet no campo.

Tanto que uma das frentes para atender os produtores rurais e empresários do ramo foi a instalação de conectividade Cat-M em todos os sites 4G (antenas) da operadora disponíveis no Brasil.

FIQUE POR DENTRO: Entenda o que é NB-IoT e LTE-M, redes dedicadas a projetos de IoT

A tecnologia Cat-M tem uma cobertura maior que a do GPRS (3G), além de ser mais barata e não precisar de um gateway (que tem a função de rotear o tráfego de rede local para dispositivos remotos).

“Com o Cat-M, eu chego a até 1 Mbps de conectividade, enquanto o GPRS fica em 30 a 50 Kbps, e consigo muito mais dispositivos por células”, disse Polidoro durante o evento. Sem contar que a tecnologia alcança maior área de cobertura, chegando a mais dispositivos por células.

As outras inovações do agronegócio

Ainda no AGROtic, Polidoro aproveitou para explicar algumas soluções que podem trazer valor imediato aos agricultores. O executivo destacou uma solução de sensoriamento de solo capaz de fornecer informações ricas para uma melhor tomada de decisão.

A tecnologia vai monitorar toda a cadeia e, com os dados coletados, consegue alertar os produtores qual é o melhor momento para realizar o plantio, a colheita, a fertilização do solo, da pulverização e irrigação de uma cultura.

Outra inovação apresentada foi um sistema de conectividade para a telemetria de máquinas e para as estações agrometeorológicas, que quantificam a evapotranspiração de referência (ETo) para notificar o produtor quando aplicar agrotóxicos.

Por exemplo, ao fazer uso desse sistema na telemetria de caminhões, um agricultor pode ter, como benefícios, a redução de consumo de combustível, a definição do melhor momento para ancorar e descarregar e ainda ter ciência sobre quando fazer a manutenção preventiva.

Aproveite para ouvir o episódio “O sucesso do agronegócio do amanhã” do podcast “Juntos no Próximo Nível”, da Embratel. É só dar o play abaixo:

Satélites no Agronegócio 4.0

Já falamos no Próximo Nível sobre o lançamento do novo satélite da Embratel, o Star One D2. O novo equipamento, a ser lançado neste ano, traz mais bandas e mais potência para ser o satélite da era digital.

 “A cobertura vai se estender para estados do centro-oeste e do Norte, que são fronteiras do agronegócio”, disse José Antonio Gonzalez, gerente de produtos e projetos especiais de Redes Satélites da Embratel, e que participou do painel “Satélites aumentam o leque para o agro”.

Um dos avanços do novo satélite é a maior capacidade na banda KA, considerada mais competitiva e com preços mais atraentes. Essa banda será a responsável por conectar o interior do Brasil à internet, promovendo inclusão digital e levando o mundo digital para mais pontos do país.  

O que mais foi abordado no AGROtic

Uma das principais discussões do AGROtic foi a transformação digital no campo impulsionada pela pandemia da COVID-19. Se muitos setores viraram a chave para manter relacionamentos e negócios a distância, também não foi diferente no agronegócio.

“Surgiram aplicativos, formas de comunicação novas que nos permitiram estar mais próximos e conectados do que éramos há um ano”, destacou Marcelo Kappes, presidente da Cooperativa dos Produtores Rurais da Bahia (Cooperfams) sobre trabalhar remotamente.

A digitalização do campo traz benefícios para todos os elos da cadeia de produção. Muito porque os trabalhadores, pequenos e médios produtores passam a se especializar, gerando maior valor nos negócios e produtos de maior qualidade.

FIQUE POR DENTRO: Internet das Coisas: conheça 4 casos de uso da tecnologia na agricultura

Por sinal, a capacitação digital passa por uma experimentação, acredita Martiniano Lopes, sócio líder de Agribusiness em Consulting da KPMG no Brasil. Em sua passagem no AGROtic, o executivo orientou que os produtores se especializem para que a tecnologia facilite a tomada de decisões.

Uma sugestão é que esses produtores tenham uma plataforma digital para experimentar soluções e entender como elas podem trabalhar bem, mas sem interromper a produção. “Esse processo de testes e aprendizagem é importante”, disse.

Como Lopes citou, ter um objetivo pode ajudar nessa jornada digital e possibilita manter a eficiência e competitividade dos negócios.

Para ler mais sobre os temas discutidos no AGROtic, é só clicar aqui.

Principais destaques desta matéria

  • AGROtic debateu inovação no agronegócio.
  • Evento da Tele.Síntese teve participação de Eduardo Polidoro, diretor de IoT da Claro/Embratel.
  • Confira quais as oportunidades de transformação digital o setor tem.

E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

ia na cadeia de suprimentos Estratégia

Executivo aponta ganhos com IA na cadeia de suprimentos

Para CEO da Stefanini Brasil, tecnologia pode prever e antecipar falhas em supply chain

fintechs febraban tech 2024 Estratégia

Parceria entre fintechs e bancos fortalece setor financeiro 

Evento que acontece entre 25 e 27 de junho, em São Paulo, traz uma trilha temática sobre as oportunidades conjuntas entre esses dois tipos de empresas

ciberseguranca Estratégia

Novo arsenal de golpes desafia cibersegurança

Criminosos lançam mão de tecnologias como deepfake e LLMs para atacar em várias frentes

deepfakes nas eleicoes Estratégia

Legislação pode ser aliada no combate às deepfakes 

Especialistas da área jurídica indicam necessidade de regulação do uso da tecnologia