Web Summit
bradesco ia generativa Fernando Freitas, head de inovação do Bradesco

Bradesco testa IA generativa em diferentes áreas

2 minutos de leitura

Banco avalia a eficiência da tecnologia em aplicações e atividades internas, mas preserva o motor da BIA



Por Redação em 11/05/2023

O rápido avanço da inteligência artificial generativa colocou a tecnologia em inúmeras rodas de conversas nas mais variadas áreas, além de alçar o tema para a pauta de prioridades das empresas. Dentre os primeiros a adotar inteligência artificial para o atendimento ao cliente, o Bradesco é uma destas organizações que testam a IA generativa, e que já percebeu ganhos de eficiência em algumas aplicações.

Falando ao podcast Próximo Nível, durante o Web Summit Rio 2023, Fernando Freitas, head de inovação do Bradesco, ressalta que o Banco, por ser uma instituição de portas abertas, avalia a tecnologia com lupa. O objetivo é evitar, principalmente, conflitos éticos.

Os primeiros testes mostraram que a tecnologia pode ser eficiente no atendimento às reclamações dos clientes. A plataforma resumiu de 200 para 50 palavras o contexto avaliado pela equipe de atendimento, reduzindo, com isso, o tempo de espera do cliente em 30%.

A área de desenvolvimento de sistemas também implementou os motores da Open IA – ChatGPT 3 e 4 – para avaliar o impacto no desenvolvimento e nos testes de sistemas e aplicações. “Os primeiros testes mostraram que conseguimos reduzir em 40% a 50% o tempo necessário para escrever um conjunto de códigos. IA não substitui um desenvolvedor, mas pode gerar muita eficiência”, cita Freitas. Na área de testes, a ferramenta pode, por exemplo, assumir as simulações hoje feitas por humano, reduzindo o tempo e os erros, segundo ele.

Já no atendimento ao cliente, está em estudo como a IA generativa pode auxiliar – ou ser agregada – à Bradesco Inteligência Artificial – BIA. A BIA usa como motor o IBM Watson, que permite às empresas programarem uma resposta. Já a IA generativa, segundo Freitas, por construção, garante apenas que o cliente receberá a melhor resposta possível, ou seja, a empresa não controla a resposta, se restringindo ao treinamento e à base de conhecimento da IA. 

“Cada motor tem a sua finalidade. Vamos continuar com o IBM Watson, porque ele é muito importante e relevante para o serviço BIA. Mas, com certeza, já está no nosso plano acoplar os motores da Open IA para fazer frente a algumas tarefas não atendidas pelo Watson”, conta Freitas, citando a flexibilidade de memória e a mudança de contexto nas conversas como exemplos de entregas da Open IA que podem ser somadas à BIA.

Neste podcast, Freitas também fala sobre outras prioridades do Bradesco na área de inovação digital, como o Banco enxerga o seu papel no futuro, a adoção da tecnologia 5G, dentre outros temas, e revela o passo a passo da implementação recente da biometria facial aplicada na validação do token nos celulares.

Confira a íntegra da entrevista concedida por Freitas ao podcast Próximo Nível.



E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

ia na cadeia de suprimentos Estratégia

Executivo aponta ganhos com IA na cadeia de suprimentos

Para CEO da Stefanini Brasil, tecnologia pode prever e antecipar falhas em supply chain

fintechs febraban tech 2024 Estratégia

Parceria entre fintechs e bancos fortalece setor financeiro 

Evento que acontece entre 25 e 27 de junho, em São Paulo, traz uma trilha temática sobre as oportunidades conjuntas entre esses dois tipos de empresas

ciberseguranca Estratégia

Novo arsenal de golpes desafia cibersegurança

Criminosos lançam mão de tecnologias como deepfake e LLMs para atacar em várias frentes

deepfakes nas eleicoes Estratégia

Legislação pode ser aliada no combate às deepfakes 

Especialistas da área jurídica indicam necessidade de regulação do uso da tecnologia