Claro e Itaú: empresas customer-centric e data-driven

2 minutos de leitura

Em apresentação no Web Summit Rio, executivos de ambas as empresas falam sobre a jornada do cliente



Por Redação em 02/05/2023

“Quando decidimos ser uma empresa customer-centric e data-driven, a gente de fato colocou o cliente no centro e começou a diferenciar as diferentes jornadas deste cliente”. Com essas palavras, o presidente da Claro, José Félix, abriu o painel Customer centricity: looking after your customer in a digital world, no Web Summit Rio.

O conceito de customer-centric (centrado no cliente) é uma abordagem empresarial que coloca as necessidades e desejos dos clientes no centro de todas as decisões da empresa. Isso significa que todas as estratégias, produtos e serviços são projetados para atender às necessidades específicas dos clientes e criar uma experiência positiva para eles.

Já o data-driven (orientado por dados) refere-se ao uso de dados e análises para tomar decisões de negócios informadas e orientadas para resultados. As empresas data-driven utilizam uma ampla gama de fontes de dados para obter insights sobre o comportamento do cliente, tendências do mercado e outras informações relevantes para orientar as decisões de negócios e melhorar a experiência do cliente.

Em conjunto, esses conceitos são fundamentais para criar empresas centradas no cliente: que entendam suas necessidades e forneçam produtos e serviços que as atendam de forma eficaz.

Data-driven também no Itaú Unibanco

Também participante do painel, o CEO do Itaú, Milton Maluhy Filho falou sobre a estratégia do banco de se voltar para o cliente. “A expectativa do cliente muda todos os dias, ele entra no nosso aplicativo querendo ter uma experiência parecida com a que ele teve em outros. Nesse sentido, a tecnologia empoderou as pessoas a tomarem suas próprias decisões e o atendimento passa a ser cada vez mais personalizado. Por isso, é preciso estar na vanguarda dessas tecnologias”, afirmou o CEO do Itaú Unibanco.

O executivo também comentou sobre a jornada do cliente no banco. “A frase que gostamos de falar é que o banco vai ser do tamanho que os nossos clientes quiserem. O nosso ‘feito para você’ mudou para ‘feito com você’. Acreditamos muito nesse feedback contínuo do cliente para a gente melhorar o banco”, destacou.

Tecnologia habilita estratégia das empresas

O executivo da Claro pontuou a importância da tecnologia dentro desses conceitos e nas transformações que ainda virão. Segundo ele, a mudança do cliente, na sua visão, acompanha a mudança do mundo. Por exemplo, há pouco tempo não existia o 4G e com a tecnologia anterior você tinha enormes limitações.

“E agora, com o 5G, novas possibilidades vão surgir, principalmente na área de IoT e em aplicações que exigem um baixo delay. E espera-se um número grande de startups nesses segmentos. Por isso, a Claro criou um hub de inovação chamado beOn com o objetivo de estreitar o relacionamento da empresa com o mundo das startups.”, afirmou Félix.

O CEO do Itaú também destacou a importância da tecnologia para dar ao consumidor o que ele quer. O banco mudou inclusive a forma de trabalhar internamente para atender a esses anseios. A instituição tem mais de 20 mil pessoas trabalhando com tecnologia e já deixou para trás o discurso do sistema legado. “Falamos de tecnologia de ponta e uma cultura muito forte de engajamento dos colaboradores para atender ao cliente da melhor forma possível”, pontuou.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

computacao em nuvem Estratégia

Computação em nuvem pode gerar economia de US$ 3 trilhões até 2030

Relatório da consultoria McKinsey aponta melhorias que a tecnologia vai agregar

golpes digitais cresceram Estratégia

Golpes digitais cresceram 35% em 2023

Os golpes bancários ainda lideram a lista por segmentos, no Brasil

ia em bancos Estratégia

Uso de IA em bancos traz hiperpersonalização de atendimento

Instituições financeiras apostam na tecnologia para replicar conceito de private banking no varejo

tentativas de fraude Estratégia

Vendas de fim de ano registram cerca de R$ 83,8 milhões em tentativas de fraude

Contudo, estudo realizado pela ClearSale revelou queda de 15,7% no valor das tentativas, em relação a 2022