Congresso aprova PEC que reestabelece benefícios das TICs

2 minutos de leitura

Deputado estima que 170 mil empregos serão preservados e 82% de retorno tributário com as desonerações da PEC das TICs



Por Redação em 24/05/2022

O Congresso Nacional promulgou no último dia 10 de maio a Emenda Constitucional 121 para restabelecer benefícios tributários a empresas de TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) e de semicondutores (fabricantes de microchip). A emenda resultou da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 10/2021), que excluía da política de desonerações os incentivos e benefícios fiscais e tributários para as empresas de TICs.

Durante a solenidade, o presidente do Senado Federal e do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que a aprovação da política fiscal vai contribuir para o desenvolvimento econômico do País, tendo potencial de manter postos de trabalho. Ele destacou que, com a emenda, o Brasil se soma a outros 45 países — entre eles Estados Unidos, Austrália, China, Chile e a maioria dos membros da União Europeia — que promovem benefícios fiscais a empresas que investem em pesquisa e desenvolvimento.

Autoridades defendem e detalham os benefícios da PEC das TICs

O deputado Rodrigo de Castro (PSDB-MG), autor da proposta que levou a emenda, disse que 170 mil empregos diretos serão preservados, assim como a capacidade de inovação da indústria brasileira. A expectativa é que a emenda ainda traga previsibilidade jurídica para a indústria de semicondutores e de TIC, que faturou R$ 200 bilhões em 2021.

Presidente da Frente Parlamentar da Indústria Elétrica e Eletrônica, o deputado Marcos Pereira (Republicanos-SP) citou estatísticas sobre a relevância econômica do setor de tecnologia e defendeu a ação estatal para estimular o setor produtivo. “Para cada real concedido em incentivos a este setor pela emenda, R$ 1,82 é recolhido por meio de outros impostos”, declarou.

A votação da PEC 10/2021 foi parte de um acordo para aprovar a Emenda Constitucional 109, em vigor desde março de 2021, que instituiu a política de desonerações. Essa Emenda definiu regras transitórias sobre redução de benefícios tributários. Com isso, ela desvinculou parcialmente o superávit financeiro de fundos públicos e suspendeu condições para realização de despesas com a concessão de auxílio emergencial residual para enfrentar as consequências sociais e econômicas da pandemia da covid-19.

Os autores da PEC indicaram que, por 30 anos, a Lei de Informática e a Lei de Informática de Manaus (Lei 8.387, de 1991) mantiveram “paridade e complementaridade”, mas a PEC 109, de 2021, colocou o equilíbrio interno do setor em risco ao prever que os incentivos e benefícios podem ser reduzidos no primeiro caso, mas não no segundo. Com a aprovação da PEC 10/2021, essa insegurança teria sido sanada, segundo informações da Agência Senado.



Matérias relacionadas

ciberseguranca pmes Estratégia

Falta de cibersegurança causa efeitos notórios nas PMEs, mostram pesquisas

Mais de 27% das pequenas e médias empresas (PMEs) não colocam a cibersegurança como prioridade no orçamento

migracao para cloud Estratégia

5 erros na migração para cloud

Planejamento e equipe capacitada estão entre os principais cuidados para as organizações que desejam fazer a migração para cloud

Ásia tecnologia Estratégia

Lições da Ásia para o futuro da tecnologia

Estudo aponta que haverá mais 900 milhões de usuários de internet na Ásia até 2025, o que demanda investimentos de mais US$ 151 bilhões em TI até esta data

varejo tecnologia Estratégia

Varejo usa tecnologia para entregar boa experiência de consumo 

Com participação do Boticário, 5º episódio da minissérie Empresas Líquidas mostra como os dados e a tecnologia empoderam o cliente no varejo