digitalizacao da economia Da esquerda para a direita: Mate Pencz, Luiza Trajano, Rodrigo Marques, Christiane Pelajo (Foto: Aldo Barranco/Web Summit Rio via Flickr)

Digitalização para a nova economia do Brasil é tema no Web Summit Rio

3 minutos de leitura

Jornalista Christiane Pelajo conduziu o debate entre Rodrigo Marques, da Claro; Luiza Trajano, da Magazine Luiza; e Mate Pencz, da Loft



Por Redação em 18/04/2024

Com mais de dois dispositivos digitais por habitante (462 milhões de dispositivos), sendo que 249 milhões são smartphones, os brasileiros não parecem carecer de digitalização. Os dados são da Fundação Getúlio Vargas, publicados no ano passado, e o diagnóstico de que estamos digitalizados foi de comum acordo entre Luiza Trajano, da Magazine Luiza; Rodrigo Marques, Chief Strategy Officer da Claro; e Mate Pencz, co-fundador e CEO da Loft; durante o Web Summit Rio 2024

“O Brasil está bem desenvolvido na parte digital. Temos um número grande de dispositivos. O que precisamos é dar acesso a mais coisas que o digital pode oferecer. Temos tantos aplicativos culturais, de educação, e precisamos desenvolver isso”, disse Luiza.

Quando abrimos as redes sociais, segundo Pencz, da Loft, a impressão realmente é de que não falta acesso. “O que falta é educação básica e educação financeira”, na visão dele. 

No mercado imobiliário, onde atua, o executivo entende que é preciso proporcionar esse tipo de educação visando a obtenção de crédito e a consequente inclusão habitacional. “Proporcionando a educação financeira, acredito que cada vez mais a gente consiga ofertar e personalizar as transações imobiliárias. Isso vai proporcionar uma onda de prosperidade que talvez a gente nunca tenha passado”, avaliou.

Igualdade digital

Os comentários de Luiza e Pencz estão, para Rodrigo Marques, da Claro, sob o guarda-chuva da igualdade digital. “Trabalhamos muito nisso. Atendemos uma grande parcela da população brasileira com a nossa rede de telefonia móvel e temos desenvolvido produtos para atender as necessidades dos diferentes tipos de clientes. O Claro Free é um exemplo, por ser um produto de comunicação móvel que não tem mensalidade e no qual replicamos, em partes, o modelo de TV aberta, ao permitir que todos possam assistir vídeos sem necessitar de um plano pago para dados”, disse.

Rodrigo Marques (Foto: Aldo Barranco/Web Summit Rio via Flickr)

Presente em todo o país, a Claro tem dois papéis no cenário digital, segundo Marques. O primeiro é o de habilitador, na medida que, como empresa de telecomunicações, fornece a conectividade necessária para todo o ambiente digital. “E nesse aspecto, investimos, nos últimos três anos, R$ 30 bilhões para  ampliar essa conectividade”, disse.

O outro papel da empresa é avançar na sua própria transformação digital. Isto também tem papel social, pois, dado o seu tamanho, as suas ações influenciam grande parcela da sociedade. “Esse processo tem de ser feito com muito cuidado, para não interferir no primeiro ponto (conectividade). Portanto, chamamos esse segundo desafio de ‘além do core’ e, geralmente, as ações vão ao encontro com o propósito de ajudar os nossos clientes”, completou.

Cliente no centro

Também pensando na facilidade do cliente – que se tornou o centro das estratégias corporativas – a Magazine Luiza lançou o primeiro serviço de nuvem brasileiro que, segundo Luiza, é mais barato e visa atender as pequenas e médias empresas. “A Magazine Luiza nasceu física e, talvez, seja uma das poucas empresas do mundo que, após décadas de atividade, entrou no digital para aprimorar a facilidade ao nosso cliente”, disse. 

luiza trajano
Luiza Trajano (Foto: Aldo Barranco/Web Summit Rio via Flickr)

A inteligência artificial generativa deve provocar grandes mudanças. “Temos uma das maiores influenciadoras digitais do mundo, a Lu. Ou seja, já usamos inteligência artificial há muito tempo. A diferença, agora, é que a inteligência artificial generativa inclui conteúdos e imagem”, disse.

IA generativa

No caso da Loft, que já nasceu como uma plataforma digital no mercado imobiliário, Pencz elaborou que a inteligência artificial generativa tem ajudado a reduzir o lead time dos processos imobiliários. “Hoje, as pessoas conseguem encontrar o lar desejado, aprovar crédito, pagar no cartão de crédito diretamente. Com isso, processos que demoravam meses, agora são feitos em poucos dias, ou até horas”, disse.

Mate Pencz (Foto: Aldo Barranco/Web Summit Rio via Flickr)

Em outras palavras, Pencz resumiu que a ascensão de tecnologias de IA têm acelerado os processos e proporcionado inclusão, principalmente na base da pirâmide financeira, graças a esse aumento de capilaridade/alcance.

No caso da Claro, disse Marques, a IA generativa permite, principalmente, melhorar a experiência do cliente, à medida que possibilita mais personalização. “Com a IA, podemos personalizar em escala e isso se reflete em um salto de qualidade”, explicou. 

Para clientes corporativos, que são atendidos pela unidade B2B do grupo, a Embratel, há desenvolvimentos como o Claro Geodata, que melhora a produtividade e reduz custos operacionais. “Temos grande expectativa que a IA generativa vai ampliar esses resultados. Hoje, temos vários testes no mercado, mas entendo que ainda em fase inicial. Porém, em breve, devemos experimentar uma expansão dessas aplicações, e isso vai mudar o ambiente de negócios”, previu.

Para o futuro, portanto, Marques indica a necessidade de um ambiente de negócios propício à inovação, o que, novamente, exige educação. “São as pessoas que criam inovações. Por isso, precisamos propiciar que elas estejam preparadas e tranquilas para tentar, errando e acertando, para inovar”, disse.

A motivação para que as empresas invistam nessas oportunidades, na visão de Luiza, pode ser encontrada no próprio cenário do Brasil, que ainda tem muito a progredir. “Apenas 10 milhões de residências têm ar condicionado e temos um déficit habitacional enorme”, disse. “A nossa maior luta [portanto] vem do desenvolvimento econômico. Precisamos ter um plano no Brasil no qual educação, saúde e moradia devam ser de acesso de todos. E só a sociedade civil unida conseguirá alcançar isso“, concluiu.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

cartao digital Estratégia

Uso de cartão digital aumenta 65% em transporte coletivo no Rio

Dados da RioCard Mais envolvem sua tecnologia de bilhetagem eletrônica

otimização energética Estratégia

Otimização energética para redes de telecom 

Entre os desafios estão a complexidade da rede e a otimização em ações de governança sobre o uso de energia

tic da america latina Estratégia

Brasil tem 30% do mercado de TIC da América Latina 

Conhecido pela sigla TIC, segmento também empregou 2 milhões de profissionais, de acordo com Brasscom

riscos de continuidade de negócios Estratégia

Ruptura operacional lidera os riscos de continuidade de negócios

Pesquisa mostra que 45% das empresas sofreram algum tipo de incidente que paralisou suas operações nos últimos 12 meses