Indústria-4.0-só-16-das-empresas-brasileiras-está-em-estágio-avançado

Indústria 4.0: só 1.6% das empresas brasileiras está em estágio avançado

2 minutos de leitura

Setores de bens de capital, agroindústria e automotivo devem liderar corrida tecnológica até 2027, aponta estudo da CNI.



Por Redação em 13/02/2019

Principais destaques:
– Pesquisa da CNI mostra que apenas 1.6% das empresas está em estágio avançado da Indústria 4.0;
– Bens de capital, agroindústria e automotivo são os setores que irão liderar corrida tecnológica;
– Indústria 4.0 está em fase inicial em 73% das empresas de grande porte entrevistadas pela CNI;
– Expectativa é que Indústria 4.0 gere um corte de custos de R$ 73 bilhões por ano.

A transformação digital será essencial para a tomada de decisão nos negócios de uma empresa e garantir sua competitividade no mercado. Embora muitas saibam da importância em investir na Indústria 4.0, são poucos os exemplos aqui no Brasil de quem adota (ou pretende usar) soluções inovadoras – como Internet das Coisas (IoT), Big Data e Inteligência Artificial (AI) –, como informa uma reportagem da Folha de S. Paulo.

O jornal divulgou dados do projeto Indústria 2027, feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Das 759 empresas brasileiras entrevistadas, apenas 1,6% já está em estágio avançado da Indústria 4.0. Essas organizações atuam com sistemas integrados, fábricas conectadas e processos inteligentes que ajudam na tomada de decisão.

O estudo chama atenção ainda aos setores que precisam urgentemente investir em transformação digital. Dos 24 segmentos avaliados, 14 devem criar estratégias de inovação para terem competitividade no cenário internacional. A indústria de bens de capital, o setor automotivo e a agroindústria devem liderar essa corrida tecnológica até 2027.

Cenário mais positivo para empresas de grande porte

A Indústria 4.0 já está presente em 73% das empresas de grande porte, segundo um outro estudo da CNI, mesmo que em estágio inicial de implementação de tecnologias – ou seja, quando é usada ao menos uma solução digital das 13 apresentadas pela CNI (como automação digital com sensores para controle de processos, sistemas inteligentes de gestão e incorporação de serviços digitais nos produtos).

“O uso de tecnologias digitais é decisivo para a competitividade das empresas, com redução de custos e ganhos de eficiência, além de maior acesso ao mercado externo e integração do Brasil às cadeias globais de valor”, comentou João Emílio Gonçalves, gerente executivo de política industrial da CNI, em entrevista à Folha.

Isso se reflete nas previsões da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial em que a Indústria 4.0 pode impactar na redução de custo de R$ 73 bilhões ao ano – R$ 35 bilhões com ganho de eficiência, R$ 31 bilhões no corte de gastos com manutenção de máquinas e R$ 7 bilhões em economia no consumo de energia.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

computacao em nuvem Estratégia

Computação em nuvem pode gerar economia de US$ 3 trilhões até 2030

Relatório da consultoria McKinsey aponta melhorias que a tecnologia vai agregar

golpes digitais cresceram Estratégia

Golpes digitais cresceram 35% em 2023

Os golpes bancários ainda lideram a lista por segmentos, no Brasil

ia em bancos Estratégia

Uso de IA em bancos traz hiperpersonalização de atendimento

Instituições financeiras apostam na tecnologia para replicar conceito de private banking no varejo

tentativas de fraude Estratégia

Vendas de fim de ano registram cerca de R$ 83,8 milhões em tentativas de fraude

Contudo, estudo realizado pela ClearSale revelou queda de 15,7% no valor das tentativas, em relação a 2022