infraestrutura critica

Infraestruturas críticas são alvo de cibercriminosos

2 minutos de leitura

Apesar de ainda não ser alvo, América Latina pode sofrer ameaças no futuro



Por Redação em 17/06/2024

As infraestruturas críticas, incluindo redes de telecomunicações e de energia, estão cada vez mais se tornando alvos de ataques de cibercriminosos. As utilities, ou seja, as empresas prestadoras de serviços públicos, têm sido consideradas estratégicas nesse contexto. Um dos exemplos mais recentes é a investida do grupo Sandworm, que deixou 24 milhões de pessoas sem comunicação na Ucrânia no fim de 2023.

Os alertas, segundo nota do site InfraROI, estão se concentrando na Europa e nos Estados Unidos. O padrão de ataques cibernéticos com o objetivo de interromper serviços e operações essenciais foi identificado pela empresa de cibersegurança Lumu Technologies e corroborado por várias instituições. Entre os especialistas no tema, estão as agências norte-americanas CISA, de segurança cibernética e infraestrutura, a NSA, de segurança nacional, e o FBI.

Na mira dessas três agências, que emitiram alertas em fevereiro deste ano, está o grupo criminoso Volt Typhoon, que teria se infiltrado nas redes dos setores de comunicações, energia, sistemas de transporte, água e esgoto dos Estados Unidos.

Estratégias de defesa

infraestrutura critica

Ainda que a América Latina e o Brasil não estejam no radar dessas associações criminosas, ao menos neste momento, especialistas da Lumu Technologies destacam o risco devastador para infraestruturas críticas e a necessidade da adoção de estratégias de defesa robustas em todo o mundo.

De acordo com esses especialistas, entre os fatores que adicionam complexidade à segurança das infraestruturas críticas está o fato de as redes de IoT e TO (tecnologia operacional), que costumam servir de porta de entrada para esses grupos criminosos, estarem cada vez mais emaranhadas. A recomendação é que essas empresas de infraestrutura crítica invistam em soluções capazes de oferecer visibilidade a todos os seus ambientes, sejam redes de TI ou TO.

Ainda que as disputas ocorram fisicamente em um país distante, as consequências de um ciberataque tendem a se espalhar, pois muitas empresas e organizações têm contratos com fornecedores internacionais. Além disso, em meio ao recrudescimento de conflitos no mundo, a guerra cibernética ganha força. Não é por acaso que muitos ataques recentes têm sido atribuídos à Rússia, em relação direta com a Guerra da Ucrânia.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

loyalty techs Estratégia

Mercado de loyalty techs será de US$ 25,8 bi em 2028

Projeção é apontada por estudo da consultoria Research and Markets

fraudes bancarias Estratégia

Tentativas de fraudes bancárias evitadas chegam a R$ 766 milhões no Brasil

Aumento do ticket médio é o que mais assusta em levantamento da ClearSale

hiperpersonalizacao fidelidade Estratégia

A hiperpersonalização é o próximo nível no mercado de fidelidade

Para Fernanda Barchese, da Livelo, a hiperpersonalização permitirá o acompanhamento da jornada do cliente e as escolhas das melhores recompensas

instituicoes Estratégia

Inteligência artificial eleva o poder das instituições  

Para Tania Cosentino, da Microsoft, em pouco tempo não viveremos mais sem a inteligência artificial