estratégia Zero Trust

Pesquisa revela que empresas brasileiras não incorporam estratégia Zero Trust

2 minutos de leitura

A maioria das companhias brasileiras ainda não compreende a segurança cibernética como abordagem integrada de informação



Por Redação em 28/11/2023

O “Innovation Index”, um estudo realizado pela Dell Technologies, trouxe revelações importantes para o setor. Uma delas é que 71% dos tomadores de decisão em tecnologia da informação (TI) reconhecem que ainda não exploraram ou construíram uma estratégia Zero Trust dentro das suas organizações. Apesar disso, 60% das empresas brasileiras afirmam confiar na incorporação da segurança da informação em suas tecnologias e aplicações.

A pesquisa, que envolveu 6,6 mil executivos de 45 países, levou em consideração a opinião de 300 empresários brasileiros e teve como foco a compreensão das organizações sobre proteção e resiliência cibernética enquanto lidam com a crescente digitalização.
Cerca de 79% das empresas brasileiras dizem estar bem preparadas para a maioria das ameaças cibernéticas. Contudo, apenas 21% dos líderes de TI acreditam que a complexidade geral do ambiente de computação moderno é uma questão importante de segurança.

Estratégias Zero Trust

De acordo com o levantamento da Dell Technologies, 45% dos líderes de TI das empresas brasileiras afirmam saber da necessidade de uma abordagem Zero Trust. Dentre esses, um pouco mais de um terço (37%) declararam entender que o aumento da área de superfície de ataque devido à presença distribuída de tecnologia em vários locais de nuvem (multicloud) e de borda (edge computing) também demanda celeridade na adoção da arquitetura de segurança.

Para Wellington Menegasso, data protection & cyber resiliency sales leader para o Cone Sul da América Latina da Dell Technologies, o Innovation Index aponta dois grandes problemas de segurança. “A pesquisa nos mostrou que os dois principais problemas de segurança que impedem a capacidade das empresas de inovar são, primeiro, a complexidade geral do ambiente de computação atual, cada vez mais moderno, e, segundo, o cenário constante de ameaças cibernéticas em evolução”, explicou. Segundo ele, essas questões reforçam o quão desafiadora é a segurança cibernética. “Implementar uma abordagem Zero Trust é fundamental para garantir a segurança de dentro para fora das organizações”, completou.

Cerca de 42% dos empresários que participaram do estudo compreendem que a necessidade de proteger um volume crescente de endpoints (dispositivos conectados) para uma força de trabalho cada vez mais remota acelera a necessidade de uma arquitetura Zero Trust.

“É evidente que a segurança da informação já é um tema prioritário dentro da alta liderança das companhias. Entretanto, ainda vemos a necessidade de uma mudança de paradigma na abordagem das empresas para proteger sistemas, dispositivos e dados. A arquitetura Zero Trust é essa mudança”, pontuou o especialista.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

ransomware Estratégia

Aumenta o número de vítimas de ransomware

Mais de 70% das organizações globais já foram assediadas por ransomware e tiveram consequências financeiras

politica nacional de ciberseguranca Estratégia

Política Nacional de Cibersegurança entra em vigor no Brasil

Entre os objetivos detalhados do decreto está prevista a regulação, fiscalização e controle para aprimorar a segurança e a resiliência cibernética nacional

computacao em nuvem Estratégia

Computação em nuvem pode gerar economia de US$ 3 trilhões até 2030

Relatório da consultoria McKinsey aponta melhorias que a tecnologia vai agregar

golpes digitais cresceram Estratégia

Golpes digitais cresceram 35% em 2023

Os golpes bancários ainda lideram a lista por segmentos, no Brasil