sd-wan huawei

Especialista da Huawei explica por que as empresas precisam de SD-WAN

3 minutos de leitura

Demanda inclui migração maciça para a nuvem, segundo a fabricante



Por Redação em 27/07/2023

As redes WAN já são um conceito consolidado no mundo de telecomunicações. Elas ligam, por exemplo, as filiais de empresas. O SD, na frente da sigla, significa que essas redes são definidas por software (do inglês, software defined). Na prática, a tecnologia cria uma sobreposição virtual, que permite que as corporações mantenham seus links de WAN existentes, enquanto o SD-WAN centraliza o controle de rede e possibilita o gerenciamento de tráfego de aplicativos em tempo real, entre outros atributos.  

Como explica o site especializado TechTarget, o SD-WAN usa conceitos de rede definida por software para distribuir o tráfego em uma rede WAN. E mais: as empresas e organizações adotam o SD-WAN como uma maneira econômica de conectar filiais a seus próprios data centers e a aplicativos de software como serviço (SaaS) baseados em nuvem. 

A razão é simples: a tecnologia fornece automação, centralização e flexibilidade, criando um ambiente mais ágil para empresas de médio e grande porte.

Migração para a nuvem intensifica adoção do SD-WAN

SD-WAN Huawei

Victor Silva Ferreira, gerente de Produto da Huawei, aponta algumas  tendências que estão intensificando a adoção do SD-WAN nas empresas. A principal delas seria a mudança para o ambiente de nuvem (cloud), com descentralização das aplicações e um tratamento mais inteligente do tráfego de dados. 

Outro fator é que o SD-WAN tem uma proposta de custo-benefício melhor nesse tipo de migração: ao mesmo tempo em que consegue a otimização dos links, a tecnologia mantém a redundância de backup. 

“Para as novas conexões, principalmente baseadas em internet, a experiência do usuário é muito importante. Nós não falamos mais em rede ou tráfego, mas, sim, quais são as características que a aplicação precisa ter”, argumenta. “E a partir daí, define-se qual o link que ela vai utilizar para que o usuário nunca tenha a perda de experiência quando utiliza a aplicação”, completa.

Ainda de acordo com Ferreira, a implantação do SD-WAN deve considerar os riscos, pois a descentralização pode levar à perda do nível de segurança em ambientes remotos. 

Leia também:

– Em Banda Ku, satélites da Embratel habilitam o próximo nível das parabólicas

Cuidados ao escolher a solução

O especialista lista quatro pontos que ajudam as empresas a escolher uma solução de SD-WAN adequada. São eles: rede e automação; medição de acordos de nível de serviço (SLA) e garantia; serviços WAN avançados; e arquitetura de segurança de rede baseada em Zero Trust Network (ZTN). 

No primeiro caso, as empresas precisam definir questões como escalabilidade, automação e topologia, entre outras. Na medição do SLA, o processo deve acontecer em tempo real e com solução de roteamento inteligente, para citar dois requerimentos. 

Já os serviços avançados de WAN podem incluir, por exemplo, compressão de tráfego e aceleração de serviço. E, no caso da arquitetura de segurança, as empresas devem considerar os novos cenários de conexão, como o escritório remoto e as redes de Internet das Coisas (IoT). 

Parceira da Claro na oferta de SD-WAN, a Huawei desenhou soluções com essa tecnologia, levando em conta a tendência de migração para a rede e os novos requerimentos de segurança, segundo Ferreira. 

Ele cita três características gerais do conceito adotado pela companhia chinesa. A lista inclui o controle e gerenciamento unificado; a direção de tráfego inteligente; e a ultra banda larga 5G.

“A solução de SD-WAN da Huawei foi pensada para ajudar as empresas a migrar para a nuvem de forma rápida, suave e estável”, resume o executivo. Ele cita, inclusive, o cenário previsto para a transição: em 2025, a “cloudificação” e a globalização dos serviços de filiais corporativas vai levar 85% dos serviços corporativos para a nuvem.  

De acordo com Ferreira, o conceito de SD-WAN da Huawei cria uma rede que conecta várias filiais e nuvens, garantindo uma experiência de alta qualidade para serviços de missão crítica. Com isso, será possível ter acesso sem fio 5G, a qualquer hora, em qualquer lugar, e provisionamento de rede em um dia, suportando a rápida expansão dos serviços das empresas. 

“Trata-se de uma estrutura que suporta o acesso flexível de vários links, com e sem fio, para interconexão sob demanda. E que – em resumo – são recursos de rede flexíveis para a migração suave das redes corporativas atuais”, finaliza. 


Descubra os segredos para otimizar sua rede, impulsionar a performance e habilitar sua empresa para o próximo nível baixando o e-book gratuito.

Saiba mais


Matérias relacionadas

hackers de yale Inovação

Hackers de Yale estão cada vez mais interessados em medicina preventiva

Além da Yale, outras 19 instituições de ensino estavam representadas para estudar o tema

robo pianista Inovação

Robô pianista é criado por estudantes brasileiros

O PianoBot foi desenvolvido por quatro alunos de Engenharia Mecatrônica do Insper

chips de ia Inovação

Tendência: o mundo precisará de mais chips de IA em 2024

Materiais são usados ​​no desenvolvimento e disponibilização de modelos de inteligência artificial

porto maravalley Inovação

Rio de Janeiro cria hub tecnológico Porto Maravalley

Presença de startups e curso superior do IMPA, dentre outras inovações, trarão novas oportunidades à zona portuária do Rio de Janeiro