seguranca

Segurança até no cafezinho

3 minutos de leitura

"É preciso, quando falamos de cibersegurança, encontrar a naturalidade ao tratar de temas complexos e simples"



19/07/2022

Parceria Editorial

Quando um assunto se torna verdadeiramente popular, ele é discutido em todas as rodas de conversas — na mesa de jantar com a família até o cafezinho no intervalo do trabalho com os colegas. Do futebol no final de semana, passando pelas decisões do Supremo Tribunal Federal, até a final do reality show preferido, os temas que mobilizam as pessoas são variados e as discussões costumam ser carregadas de paixão. E é justamente essa naturalidade ao tratar de temas complexos e simples que precisa ser encontrada quando falamos sobre cibersegurança. 

A derrota do time do coração não vai causar tantos prejuízos quanto um ataque bem-sucedido promovido por cibercriminosos contra a sua empresa. É por isso que, na hora do cafezinho, é preciso incluir de forma natural a discussão sobre cibersegurança e vida digital nas conversas entre os colaboradores. Um tema que deve estar na ponta da língua, não de forma alarmista, de forma consciente e técnica.

Isso porque está cada vez mais claro que segurança não é um tema que deve estar restrito aos times de TI. Muito pelo contrário. Segurança é um desafio cotidiano e de responsabilidade de cada uma das pessoas que trabalha na companhia. Logo, se as boas práticas não estiverem bem disseminadas entre os colaboradores, ao ponto de tornar cada um o fiscal do comportamento do outro, será sempre mais difícil tornar a empresa ciber-resiliente.

O processo para alcançar a ciber-resiliência é longo. Ele começa com o entendimento de que não existe muro alto o suficiente para impedir que um ataque aconteça, mas existe planejamento, treinamento e processos executados por pessoas conscientes dos riscos e preparadas para agir rapidamente numa situação de crise. A associação correta de profissionais capacitados com tecnologia de ponta pode levar a empresa a alcançar um nível de excelência quando o assunto é cibersegurança. Isso porque, com o auxílio dos parceiros adequados, as equipes internas tornam-se conhecedoras das vulnerabilidades, das deficiências e dos potenciais que a companhia possui para então criar mecanismos de defesa e de resposta eficientes. 

Algumas empresas, no entanto, estão distantes de alcançar alto nível de engajamento entre seus colaboradores quando o assunto é cibersegurança. E a razão para que o tema ainda não faça parte das conversas entre os profissionais das mais diversas áreas pode ser o fato de que os conhecimentos e as habilidades relacionadas à segurança cibernética não estão claros ainda para aqueles que não habitam o mundo da TI. 

Noções básicas de cibersegurança precisam ser conhecidas por profissionais de marketing, de logística e de qualquer outra área. Hoje, com as operações funcionando cada vez mais em rede, cada setor é uma possível porta para violações. Quem domina aquele nicho é capaz de oferecer insights muito mais valiosos para tornar a operação mais segura, do início ao fim, e colaborar com os times de TI para fortalecer a infraestrutura e os processos ligados à cibersegurança. 

Nesse sentido, vale notar que o mercado hoje já é carente de profissionais capacitados para atuar diretamente com cibersegurança. O relatório Cyber Workforce 2021, da (ISC) 2, mostra que a força global de trabalho em segurança cibernética precisa crescer 65% para dar conta de proteger os ativos críticos das organizações. Isso significa que, além de capacitar todos os profissionais para serem agentes de segurança cibernética nas organizações, ainda é preciso formar um exército de especialistas na área. Tão raros como qualquer outro profissional de TI, os de cibersegurança serão ainda mais demandados nos próximos anos. 
É nesse contexto, portanto, que as empresas devem se preparar para, no âmbito das transformações que o digital vem exigindo de cada uma delas, tornar contínuo o processo de treinamento de pessoas e a adoção de ferramentas tecnológicas para garantir que a cultura de cibersegurança seja forte na organização. Como ressalta Mario Rachid, diretor executivo da Embratel, no Momento Segurança Digital, no Podcast MIT Technology Review Brasil, segurança é uma jornada que tem apenas começo. E como o caminho é longo, vale fazer a pausa para o café e aproveitar para discutir que caminhos tomar para tornar a empresa, parceiros e clientes mais seguros no mundo digital.

*Carlos Aros é editor-executivo MIT Technology Review Brasil


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

computacao em nuvem Estratégia

Computação em nuvem pode gerar economia de US$ 3 trilhões até 2030

Relatório da consultoria McKinsey aponta melhorias que a tecnologia vai agregar

golpes digitais cresceram Estratégia

Golpes digitais cresceram 35% em 2023

Os golpes bancários ainda lideram a lista por segmentos, no Brasil

ia em bancos Estratégia

Uso de IA em bancos traz hiperpersonalização de atendimento

Instituições financeiras apostam na tecnologia para replicar conceito de private banking no varejo

tentativas de fraude Estratégia

Vendas de fim de ano registram cerca de R$ 83,8 milhões em tentativas de fraude

Contudo, estudo realizado pela ClearSale revelou queda de 15,7% no valor das tentativas, em relação a 2022