6 motivos para investir em outsourcing de TI | Mundo + Tech

2 minutos de leitura

Preservar o capital focando os gastos em despesas operacionais é uma das razões mais atrativas para deixar TI nas mãos de especialistas A terceirização de algumas ou de todas as funções do setor de Tecnologia da ...



Por Redação em 30/04/2018
Preservar o capital focando os gastos em despesas operacionais é uma das razões mais atrativas para deixar TI nas mãos de especialistas

A terceirização de algumas ou de todas as funções do setor de Tecnologia da Informação de uma empresa é chamada de Outsourcing de TI. Para dar exemplos: a gestão de redes locais (LANs); a gestão de infraestrutura e da rede WiFi ou a solução de problemas de microinformática – que diz respeito ao inventário de computadores, mouses, teclados, impressoras, telefones IP e projetores.

“Quando uma empresa opta por terceirizar essas manutenções, ela tem os serviços de monitoramento e suporte técnico completo, substituindo os gastos de capital por despesas operacionais”, cita Claudio Vitto, gerente de Produto da Embratel.

Mas essa é apenas uma das vantagens. Confira outras seis razões:

1. Unificação de contratos e fornecedores

Em vez de cada serviço da empresa ser atendido por um fornecedor diferente, com vários contratos e pouca compatibilidade, é muito mais eficaz ter a Tecnologia (TI, Conectividade e Mobilidade) gerida de forma integrada.

2. A empresa pode focar em suas atividades principais

No lugar de criar departamentos e contratar profissionais capacitados para atuar em áreas diversas em uma empresa, o foco pode ser 100% aplicado na atividade-fim do negócio. Poder terceirizar o gerenciamento de um departamento de Tecnologia e concentrar todo o escopo no seu próprio setor é uma vantagem.

3. O fornecedor assume os riscos da operação por meio de SLA

Quando se compra um plano de Outsourcing de TI, a empresa também está terceirizando os riscos. Em casos de funcionamento anormal dos ativos (sejam instalados ou potenciais), de queda da rede ou da internet, existem protocolos de atendimento, solução, disponibilidade e performance para que os problemas sejam solucionados no tempo necessário. Isso pode ser interessante para a gestão da “missão crítica”, por exemplo: vendas por meio de e-commerce, dados bancários transacionais, etc.

4. Custo de investimento de capital (CapEx) x custo operacional (OpEx)

Quando não se terceiriza uma operação, ou seja, não se opta pelo Outsourcing, é preciso investir recursos próprios para suportar todo o ambiente. No caso da área de TI, deve-se comprar ativos para executar todas as tarefas da empresa, por exemplo. Isso significa gastar em bens de capital (CapEx). Já o custo OpEx representa arcar apenas com os custos de manutenção do serviço terceirizado. Os bens de capital ficam a encargo da empresa de Outsourcing. Assim, é mais barato e ágil utilizar uma operação de terceiros do que estabelecer uma própria.

5. Eficiência por meio do conhecimento do provedor e da utilização de melhores práticas

Delegar a tarefa para quem tem expertise e domínio da área é a opção mais vantajosa. Um player especializado saberá construir o projeto ideal, definindo as prioridades e otimizando os recursos. Além disso, terá conhecimento do mercado para utilizar equipamentos e serviços, aplicar as práticas corretas e manter a empresa na ponta – características muito importantes no universo da tecnologia.

6. Parceria estratégica

Hoje, um dos pontos determinantes para o sucesso de um negócio é formar as melhores parcerias. Buscar esses pares deve levar em conta alguns aspectos fundamentais, como solidez econômica, abrangência, flexibilidade e sinergia. As empresas prestadoras de serviços precisam atender à demanda e ao orçamento, ajustando-se ao conjunto da empresa como uma peça de quebra-cabeça.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

computacao em nuvem Estratégia

Computação em nuvem pode gerar economia de US$ 3 trilhões até 2030

Relatório da consultoria McKinsey aponta melhorias que a tecnologia vai agregar

golpes digitais cresceram Estratégia

Golpes digitais cresceram 35% em 2023

Os golpes bancários ainda lideram a lista por segmentos, no Brasil

ia em bancos Estratégia

Uso de IA em bancos traz hiperpersonalização de atendimento

Instituições financeiras apostam na tecnologia para replicar conceito de private banking no varejo

tentativas de fraude Estratégia

Vendas de fim de ano registram cerca de R$ 83,8 milhões em tentativas de fraude

Contudo, estudo realizado pela ClearSale revelou queda de 15,7% no valor das tentativas, em relação a 2022