Brasileiros podem trocar privacidade por benefícios, mostra pesquisa

2 minutos de leitura

Para a maioria, rastreamento na internet é uma invasão de privacidade. Contudo, renunciar à privacidade para obter benefícios já está se tornando comum



Por Redação em 11/09/2023

O estudo “Qual o futuro da proteção de dados no Brasil?”, conduzido pela KPMG e a APPC, mostra que o trade off entre comodidade e privacidade é bem quisto pelos consumidores. O movimento vem aumentando entre os brasileiros e cerca de 47% dos entrevistados dizem concordar com o monitoramento de seus dados de navegação, desde que consigam obter dicas de produtos e serviços de seu interesse.

Outro ponto de relevância apontado pela pesquisa é que os brasileiros esperam benefícios que viabilizam ganhos materiais em troca da privacidade online. Esses benefícios geralmente são: descontos e promoções, benefícios relacionados à saúde, bem-estar e economia de tempo no trânsito. Apesar disso, a preocupação com vazamento de dados permanece.

A maioria dos entrevistados concorda que o rastreamento na internet é uma invasão de privacidade. Contudo, algumas pessoas renunciam à privacidade em troca de benefícios, principalmente entre os mais jovens.

De acordo com a KPMG, existe espaço para melhorar essa relação de confiança, uma vez que os pesquisados se dividem com relação a esses aspectos, nas mais diferentes empresas/setores. “O fato é que não existe uma maioria confortável”, declarou a instituição. 

O setor bancário, por exemplo, é o que tem maior índice de confiança (39%). Por outro lado, telefonia (48%), comércio (43%) e organizações não governamentais (42%) apresentam percentual alto de desconfiança.

A pesquisa: Qual o futuro da privacidade de dados no Brasil, apresentou outras informações importantes, como:

  • 95% dos acessos à internet são realizados por smartphones. Destes, 94% dos usuários utilizam a internet todos os dias.
  • O acesso às redes sociais ainda é fator de motivação de conexão, seguido por fazer compras (68%), internet banking (66%) e assistir filmes/séries (63%). 
  • Temas relacionados a trabalho (47%) e estudo (46%) ainda têm menor preferência para utilização da internet.

Vazamento de dados x a troca de privacidade por benefícios

Marcos Fugita, sócio-líder de Managed Risk & Security Services da KPMG no Brasil, declarou que as organizações estão buscando fornecedores que ofereçam uma experiência cada vez melhor aos clientes. Por isso, tentam encontrar o ponto de equilíbrio entre personalização e assertividade, para que a fidelização ocorra.

De acordo com a KPMG, 94% dos entrevistados acreditam que as propagandas têm relação com os hábitos de pesquisas. Cerca de 79% sentem que elas se relacionam com conversas mantidas perto dos dispositivos. Contudo, ainda assim, 30% deles optam por continuar utilizando normalmente as redes e dispositivos. Por outro lado, 37% passaram a prestar mais atenção ao que falam perto do dispositivo. 

Na escala de preocupação de 1 a 5 (sendo 1 “não me preocupo em nada” e 5 “me preocupo muito”), 88% dos usuários indicaram notas 4 e 5, revelando que estão preocupados com possíveis vazamentos de dados.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

computacao em nuvem Estratégia

Computação em nuvem pode gerar economia de US$ 3 trilhões até 2030

Relatório da consultoria McKinsey aponta melhorias que a tecnologia vai agregar

golpes digitais cresceram Estratégia

Golpes digitais cresceram 35% em 2023

Os golpes bancários ainda lideram a lista por segmentos, no Brasil

ia em bancos Estratégia

Uso de IA em bancos traz hiperpersonalização de atendimento

Instituições financeiras apostam na tecnologia para replicar conceito de private banking no varejo

tentativas de fraude Estratégia

Vendas de fim de ano registram cerca de R$ 83,8 milhões em tentativas de fraude

Contudo, estudo realizado pela ClearSale revelou queda de 15,7% no valor das tentativas, em relação a 2022