CEO nuvem

CEOs precisam mergulhar na nuvem para vencer corrida de US$ 1 tri até 2030

2 minutos de leitura

McKinsey levanta que vários segmentos industriais têm a possibilidade de aumentar EBITDA em 20%, desde que os CEOs mergulhem no cloud cumputing na próxima década



Por Redação em 08/12/2021

Uma avaliação sobre 700 casos de aplicações em empresas, espalhadas por 19 segmentos industriais diferentes, conclui que a utilização da computação em nuvem pode gerar EBITDA adicional de US$ 1 trilhão até 2030. E isso considerando apenas as 500 maiores empresas do mundo, conforme a lista da Fortune. Os dados são da McKinsey e mostram que os CEOs têm papel fundamental nesse corrida.

No relatório denominado Por que o cloud está dominando a agenda dos CEOs produzido pelos sócios sêniores da Mckinsey, Yran Dias e Alessandro Rosa, e publicado pelo Brazil Journal – foi pontuado que “os CEOs têm o papel crucial  para orquestrar os esforços e garantir o apoio necessário aos especialistas envolvidos nos projetos de cloud”. Isso diz respeito ao apoio para o desenvolvimento de novos modelos operacionais de tecnologias para negócios, assim como o estabelecimento de financiamento sustentável para os investimentos em projetos de nuvem e a criação de políticas para atrair e reter talentos.

Na corrida de US$ 1 trilhão adicional com o uso de soluções de nuvem durante esta década, o relatório prevê que quase todos os segmentos de negócios poderão crescer, com incremento médio de 20% em seus EBTIDAs. “Mas os setores de tecnologia, petróleo e gás, varejo, saúde, seguros e bancário são os de maior projeção”, defende o documento.

Nuvem é catalisador da quarta revolução industrial

Isso tem explicação nas funções básicas do cloud, que permite aumentar a agilidade organizacional, a produtividade e a resiliência dos processos internos das empresas, além de abrir horizontes de negócios novos.

A cloud, portanto, se torna uma espécie de catalizadora da quarta revolução industrial, moldada pelo uso de tecnologias como a inteligência artificial, a robótica, o machine learning e a internet das coisas. “Todas essas novas tecnologias exigem uma capacidade de processamento de dados maior. Assim, em vez de fazer um investimento pesado em servidores, sistemas de refrigeração, cabeamentos e afins, as empresas podem pagar por tudo isso com um serviço a ser consumido de acordo com a necessidade”, explicam os pesquisadores da Mckinsey.

De volta ao envolvimento necessário dos CEOs nessa jornada, o estudo também sugere envolvimento do conselho administrativo das empresas. Junto ao CEO e demais lideranças, essa estrutura deve fazer questionamentos antes de adotar o plano de cloud. Entre eles está como estabelecer a segurança e o compliance, principalmente para adoções de nuvens públicas. Saber como prevenir limitações tecnológicas no futuro também é importante, assim como prever os modelos de migração e saber como medir os resultados do processo.



Matérias relacionadas

ciberseguranca pmes Estratégia

Falta de cibersegurança causa efeitos notórios nas PMEs, mostram pesquisas

Mais de 27% das pequenas e médias empresas (PMEs) não colocam a cibersegurança como prioridade no orçamento

migracao para cloud Estratégia

5 erros na migração para cloud

Planejamento e equipe capacitada estão entre os principais cuidados para as organizações que desejam fazer a migração para cloud

Ásia tecnologia Estratégia

Lições da Ásia para o futuro da tecnologia

Estudo aponta que haverá mais 900 milhões de usuários de internet na Ásia até 2025, o que demanda investimentos de mais US$ 151 bilhões em TI até esta data

varejo tecnologia Estratégia

Varejo usa tecnologia para entregar boa experiência de consumo 

Com participação do Boticário, 5º episódio da minissérie Empresas Líquidas mostra como os dados e a tecnologia empoderam o cliente no varejo