CEO nuvem

CEOs precisam mergulhar na nuvem para vencer corrida de US$ 1 tri até 2030

McKinsey levanta que vários segmentos industriais têm a possibilidade de aumentar EBITDA em 20%, desde que os CEOs mergulhem no cloud cumputing na próxima década



Por Redação em 08/12/2021

Uma avaliação sobre 700 casos de aplicações em empresas, espalhadas por 19 segmentos industriais diferentes, conclui que a utilização da computação em nuvem pode gerar EBITDA adicional de US$ 1 trilhão até 2030. E isso considerando apenas as 500 maiores empresas do mundo, conforme a lista da Fortune. Os dados são da McKinsey e mostram que os CEOs têm papel fundamental nesse corrida.

No relatório denominado Por que o cloud está dominando a agenda dos CEOs produzido pelos sócios sêniores da Mckinsey, Yran Dias e Alessandro Rosa, e publicado pelo Brazil Journal – foi pontuado que “os CEOs têm o papel crucial  para orquestrar os esforços e garantir o apoio necessário aos especialistas envolvidos nos projetos de cloud”. Isso diz respeito ao apoio para o desenvolvimento de novos modelos operacionais de tecnologias para negócios, assim como o estabelecimento de financiamento sustentável para os investimentos em projetos de nuvem e a criação de políticas para atrair e reter talentos.

Na corrida de US$ 1 trilhão adicional com o uso de soluções de nuvem durante esta década, o relatório prevê que quase todos os segmentos de negócios poderão crescer, com incremento médio de 20% em seus EBTIDAs. “Mas os setores de tecnologia, petróleo e gás, varejo, saúde, seguros e bancário são os de maior projeção”, defende o documento.

Nuvem é catalisador da quarta revolução industrial

Isso tem explicação nas funções básicas do cloud, que permite aumentar a agilidade organizacional, a produtividade e a resiliência dos processos internos das empresas, além de abrir horizontes de negócios novos.

A cloud, portanto, se torna uma espécie de catalizadora da quarta revolução industrial, moldada pelo uso de tecnologias como a inteligência artificial, a robótica, o machine learning e a internet das coisas. “Todas essas novas tecnologias exigem uma capacidade de processamento de dados maior. Assim, em vez de fazer um investimento pesado em servidores, sistemas de refrigeração, cabeamentos e afins, as empresas podem pagar por tudo isso com um serviço a ser consumido de acordo com a necessidade”, explicam os pesquisadores da Mckinsey.

De volta ao envolvimento necessário dos CEOs nessa jornada, o estudo também sugere envolvimento do conselho administrativo das empresas. Junto ao CEO e demais lideranças, essa estrutura deve fazer questionamentos antes de adotar o plano de cloud. Entre eles está como estabelecer a segurança e o compliance, principalmente para adoções de nuvens públicas. Saber como prevenir limitações tecnológicas no futuro também é importante, assim como prever os modelos de migração e saber como medir os resultados do processo.



Matérias relacionadas

plataformas digitais Estratégia

Plataformas digitais para venda de bilhetes crescem no setor de transportes

Meios de pagamento digitais estão em expansão; no setor de transporte, um relatório da Masabi confirma a tendência e destaca os benefícios de uma plataforma exclusiva para isso

setor eletrico ciberseguranca Estratégia

Digitalização do setor elétrico requer cuidados em cibersegurança

O aumento de ataques a empresas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica deve ampliar investimentos em segurança digital em 2021, inclusive no Brasil

saúde digital Estratégia

Saúde digital vai dobrar em 5 anos e América Latina está ficando para trás

Pesquisa mostra que Estados Unidos e China, que já concentram 60% desse mercado, devem manter a dianteira, sendo que a falta de interoperabilidade é entrave para países em desenvolvimento

tendências de tecnologias do Gartner Estratégia

CIOs integrados a negócios pautam tendências de tecnologias do Gartner para 2022

Consultoria lista as 12 principais tecnologias para o ano e mostra como os CIOs estão cada vez mais integrados às decisões de negócios