Setor financeiro aposta na Inteligência Artificial para gerar valor para os clientes, criar formas de aumentar a receita e transformar os processos

Conheça as lições das empresas pioneiras na adoção de Inteligência Artificial no setor financeiro

4 minutos de leitura

Setor financeiro aposta na Inteligência Artificial para gerar valor para os clientes, criar formas de aumentar a receita e transformar os processos.



Por Redação em 11/03/2020

Setor financeiro aposta na Inteligência Artificial para gerar valor para os clientes, criar formas de aumentar a receita e transformar os processos

A jornada de inovação no setor financeiro é uma verdadeira maratona. Não é somente sobre estar à frente da concorrência, mas também conseguir manter o ritmo ao mesmo tempo que transforma os negócios. Prova disso é que duas tecnologias já começam a mostrar os resultados desse esforço: Inteligência Artificial e Automação Robótica de Processos (RPA, sigla em inglês).

Como mostramos em publicação de 2019, a Inteligência Artificial foi a tecnologia emergente adotada por 41% das empresas do setor, entrevistadas pelo Instituto de Pesquisas da Capgemini. No entanto, ser digital vai exigir ainda mais delas. Elas devem reconsiderar a interação entre máquina e humanos e a cadeia de valores de clientes e parceiros para gerar crescimento.

Reavaliar esses pontos mudará como a IA é aplicada no dia a dia dos negócios. Sua empresa vai deixar de pensar nessa tecnologia como disruptiva em cada iniciativa para vê-la como ferramenta de trabalho dentro de toda a organização. Quem defende esse modelo é a consultoria Deloitte na pesquisa “AI leaders in financial services”.

O relatório entrevistou 206 executivos (a maioria C-LevelCEOs, CIOs e CTOs) de empresas norte-americanas. A ideia foi entender como elas estão adotando a Inteligência Artificial e tirando benefícios de soluções baseadas na tecnologia. Ao longo do texto você confere alguns insights do relatório.

Os 3 grupos de empresas do setor financeiro que apostam em Inteligência Artificial

A Deloitte quis identificar as práticas adotadas pelas empresas do setor financeiro que utilizam a Inteligência Artificial e o retorno tangível atingido com a tecnologia. Com isso, a consultoria definiu dois critérios quantitativos:

  1. Performance: o retorno financeiro do investimento em IA.
  2. Experiência: quantidade total de projetos de IA que estão “vivos”. Ou seja, que são completamente funcionais e integrados aos processos de negócio, às interações com o consumidor e aos produtos e serviços.

Isso levou a Deloitte a classificar as empresas entrevistadas em três categorias:

  1. Pioneiras: 30% dos entrevistados trabalham nessas empresas, que já estão no nível mais alto de retornos financeiros de um número significativo de implementações de IA.
  2. Seguidoras: 43% dos executivos ouvidos são de companhias ainda em processo de implementação de IA e que começam a ver os primeiros retornos financeiros.
  3. Iniciantes: 27% dos C-Level estão em organizações com estágios iniciais da jornada de IA e/ou que têm um certo atraso no retorno financeiro obtido com as implementações da tecnologia.

Como empresas pioneiras planejam a adoção da IA

Organizações pioneiras do setor financeiro reconhecem a importância de uma estratégia crítica na adoção de IA. Elas querem ir além da redução de custos para garantir que a tecnologia gere valor em todo o ecossistema da organização.

Tanto que elas se baseiam em três etapas na hora de desenvolver projetos de Inteligência Artificial:

  1. Etapa 1: Incorporar a IA em planos estratégicos, com ênfase na implementação da tecnologia em toda a organização.
  2. Etapa 2: Focar na aplicação de IA para criar oportunidades de engajamento do consumidor e de novas formas de receita.
  3. Etapa 3: Adotar uma abordagem de portfólio, em que vão utilizar diversos modelos de desenvolvimento em soluções de IA.

O investimento também é um diferencial para empresas pioneiras. Enquanto 25% delas investiram mais de US$ 10 milhões (R$ 46.6 milhões) em IA, só 12% e 6% dos grupos seguidores e iniciantes, respectivamente, destinaram o mesmo valor para projetos com a tecnologia.

Quer ver um exemplo? O TD Bank, do Canadá, criou o Innovation Centre of Excellence (CoE) para integrar as iniciativas inovadoras desenvolvidas em todas as unidades do banco. Assim, o CoE desenvolveu um ambiente de experimentação com o objetivo de:

  • Reduzir a complexidade operacional da instituição financeira.
  • Aprimorar a experiência do consumidor.
  • Testar e identificar as melhores práticas de pilotos de IA antes de introduzi-los como produtos e serviços.

Por que apostar em uma abordagem de portfólio vai ajudar a escalar a IA?

Se você é um executivo do setor financeiro, provavelmente já deve ter sentido a pressão de adotar a Inteligência Artificial para entregar novas experiências. Mas aí vem a pergunta: por onde começar?

De acordo com a pesquisa da Deloitte, a maioria das empresas entrevistadas do setor financeiro fez parceria com terceiros para adquirir a tecnologia.

Porém, são soluções que precisam ser customizadas com base em escalabilidade, talento e capacidade tecnológica de cada organização. Segundo a Deloitte, esse é o caminho mais fácil de adotar a IA.

Mas, na visão de empresas pioneiras, a abordagem de portfólio ainda é mais efetiva.

E o que seria uma abordagem de portfólio?  Seria desenvolver projetos de IA de múltiplas opções. Por exemplo, das empresas classificadas como pioneiras pela Deloitte:

  • 56% têm projeto de IA as a Service.
  • 61% possuem um software corporativo com IA integrada.
  • 54% contam com ferramentas de modelagem de mineração de dados.
  • 63% automatizaram projetos de Machine Learning.
  • 49% desenvolvem soluções em parceria com outras empresas.

Tudo isso acontecendo de forma simultânea e paralela. Como explica a Deloitte, adotar essa abordagem de criar um portfólio de soluções de IA vai ajudar as companhias a preservar processos legados enquanto a tecnologia vai ajudar a obter ganhos.

Uma vez que as empresas começam a implementar diversas iniciativas de Inteligência Artificial, elas conseguirão mensurar e rastrear a eficácia de cada uma delas, assim como identificar qual solução é a mais apropriada para uma determinada área ou negócio específicos delas.

Seja uma empresa pioneira na adoção de IA

Se você pensa em ir para o próximo nível na Inteligência Artificial, a Deloitte indica fazer uma avaliação dos processos internos e do ambiente de trabalho da empresa. Assim você identificará os pontos fortes e os que podem ser aprimorados antes de iniciar projetos que vão escalar a tecnologia.

Outra ação é responder essas três perguntas a seguir:

  • Quais metas de negócios existentes a sua empresa pode alcançar ao implantar IA?
  • A tecnologia poderá ser usada para ganhar vantagem competitiva?
  • Os talentos da empresa possuem conhecimento de negócios e de tecnologia para traduzir as soluções e como elas vão impactá-las na receita da empresa?

Isso vai ajudar a encontrar um equilíbrio entre planejar uma estratégia e executar as iniciativas baseadas em Inteligência Artificial. Quando você consegue isso, além de escalar os negócios, será o momento de atingir objetivos, como: corte de gastos, melhorar a receita e aprimorar a experiência do cliente.

Por fim, você terá em mãos um arsenal de soluções baseadas em IA que vai posicionar a sua empresa como pioneira, seja no setor financeiro ou em qualquer outra indústria.

Principais destaques desta matéria

  • Setor financeiro tem apostado em Inteligência Artificial para gerar novos negócios.
  • – Mas executivos C-Level devem considerar a interação entre humano e máquina para enxergar a tecnologia como disruptiva.
  • – Pesquisa da Deloitte mostra as etapas do desenvolvimento de projetos de Inteligência Artificial realizadas pelas empresas pioneiras na adoção da tecnologia.


Matérias relacionadas

Inovação

Viena avança como cidade inteligente com plataforma de dados urbanos em código aberto

A capital da Áustria, Viena, avança como cidade inteligente com gestão de dados em código aberto para mobilidade, saneamento e energia

cidades inteligentes Inovação

Tecnologia habilita cidades inteligentes

A tecnologia permite que os municípios entendam as demandas dos cidadãos, invistam em segurança pública, melhorem o trânsito, entre outros quesitos das cidades inteligentes

usina de Ouro Branco Inovação

Parceria com Embratel habilita indústria 4.0 na Gerdau

Com tecnologia da Embratel, a Gerdau vai implantar uma rede privativa dedicada 5G e LTE 4G em uma de suas fábricas, viabilizando os conceitos da indústria 4.0

Inovação

Desenvolvimento de IA dá lugar a BPO em planejamento de CFOs, aponta Gartner

Departamentos financeiros vão investir em outsourcing para implementar inteligência artificial em seus negócios em busca de mais sucesso nos projetos