Febraban Tech 2024 Febraban Tech 2024
drex Da esquerda para a direita: Denis Nakazawa, Larissa Moreira, Solange Parisoto, João Gianvecchio, Bruno Batavia e Vito Castanha (Foto: Divulgação – Febraban Tech)

Drex: bancos testam casos de uso para o dinheiro digital

3 minutos de leitura

Especialistas avaliam primeira fase do Piloto Drex e preparam aplicações que aproveitem a tokenização de ativos físicos e digitais



Por Redação em 27/06/2024

A partir da experiência na implementação das tecnologias e processos relacionados ao Drex, uma criptomoeda lastreada pelo Banco Central do Brasil, as instituições começam agora a trabalhar em novos serviços, além das aplicações criadas pelo próprio regulador. A avaliação da primeira fase do Piloto Drex e as perspectivas de aplicação da tecnologia de registro distribuído, ou blockchain, em contratos inteligentes, liquidação de transações e outros serviços financeiros foram o eixo do workshop Os novos passos da evolução do Drex, no Febraban Tech 2024.

Denis Nakazawa, diretor da Accenture, destacou que, apesar das dificuldades, o sistema financeiro do Brasil pode ser mais uma vez referência de inovação tecnológica. “Com o Open Finance, em 30 meses fizemos o que levou 7 anos no Reino Unido. O PIX tem adesão comparada à da Índia em pagamentos instantâneos, mas expandimos muito mais rápido. É o mesmo ecossistema de bancos e reguladores que trabalha no Drex”, afirmou.

drex
Denis Nakazawa, diretor da Accenture (Foto: Reprodução/LinkedIn)

“Tratamos a agenda do Drex como prioridade. O projeto vai trazer o dinheiro para economia tokenizada”, disse Larissa Moreira, gerente de ativos digitais do Itaú. “Hoje tanto os ativos digitais quanto a tokenização dos ativos reais é um caminho sem volta”, constatou Vito Castanha, diretor sênior do Santander.

Larissa Moreira, gerente de ativos digitais do Itaú (Foto: Divulgação – Febraban Tech)

João Gianvecchio, diretor de estratégias e inovação do Banco BV, destacou que, além da agilidade e simplificação da gestão de transações, o dinheiro digital traz um nível inédito de interoperabilidade. Na prática, o token lastreado, como no caso do Drex, tem as características de universalidade de valor e validade semelhantes ao dinheiro tradicional.

drex
João Gianvecchio, diretor de estratégias e inovação do Banco BV (Foto: Divulgação – Febraban Tech)

Bruno Batavia, diretor de tecnologias emergentes da Valor Capital, salientou que muitas inovações vêm de redes abertas. “Isso vale para o bem e para o mal. A falta de regulação gera problemas, mas o desenvolvimento é muito rápido”, pondera. Ele mencionou que muitos projetos relacionados ao Drex usam tecnologia EVM (Ethereum Virtual Machine), que, como o próprio nome diz, vem de uma blockchain aberta. “Temos como incorporar muitas das inovações disponíveis em blockchains abertas. E muitos desses players virão”.

Bruno Batavia, diretor de tecnologias emergentes da Valor Capital (Foto: Divulgação – Febraban Tech)

Solange Parisoto, consultora digital da Sicred, contou que a primeira fase do piloto envolveu uma agenda intensa da área de tecnologia. “Superamos a maioria dos desafios e ainda há questões de privacidade por se resolver” revelou. Ela reconheceu também que ainda há conhecimento insuficiente sobre o tema entre os próprios profissionais de finanças. Disse ainda que a indústria precisa se organizar para criar os casos de uso (o eixo da fase 2 do piloto).

Solange Parisoto, consultora digital da Sicred (Foto: Divulgação – Febraban Tech)

Entre as principais dificuldades, Batavia menciona escala, segurança e privacidade.

Vito Castanha, do Santander, contou que os clientes têm como preocupação central a custódia dos ativos digitais. “Em segurança e privacidade, não se espera nada diferente do que garantimos hoje. O desafio é como ter desempenho e segurança no armazenamento das chaves, que são o ativo em si”, esclareceu.

Vito Castanha, do Santander (Foto: Divulgação – Febraban Tech)

“Hoje, a tokenização já é vista como solução para o custo do crédito e a inclusão financeira”, disse Moreira. Ela lembrou que o mercado de criptomoedas, como Bitcoin e Etherum, já totaliza cerca de US$ 1 trilhão em valores transacionados no país. “Os bancos e corretoras já operam compra e vendas de ativos tokenizados”, mencionou. Ela observou também que o uso de moeda virtual já faz parte da cultura de muitos jovens em ambientes online.



Matérias relacionadas

drex liquidez Inovação

Drex: mais liquidez com uso de ativos

Clarissa de Souza, a responsável pela arquitetura que suportará a nova moeda digital, explica a sua funcionalidade e segurança

inclusao mulheres Inovação

Inclusão das mulheres na liderança também chega ao setor financeiro

Para Marisa Reghini, características femininas como colaboração e visão holística têm muito a contribuir para a evolução do setor como um todo

tendencias digitais Inovação

Sete tendências digitais para a década, segundo Sandy Carter

Executiva da Unstoppable Domains é especialista em web 3.0 e apontou caminhos na recente SXSW

bancos preparacao quantica Inovação

Bancos, indústrias e pesquisadores trabalham na preparação quântica

Tecnologia ainda depende de respostas da ciência básica, mas empresas já buscam antecipar as oportunidades e desafios com computação e comunicação baseadas nas propriedades de partículas elementares