segurança na nuvem

Empresas reduzem custos com investimentos em segurança na nuvem, diz estudo

2 minutos de leitura

Ao mesmo tempo em que a adoção de aplicações na nuvem aumentou, novas ameaças surgiram, trazendo maior preocupação com a segurança de dados



Por Redação em 03/12/2021

De acordo com o estudo Cloud and Threat Report, realizado pelo Netskope Threat Labs em julho de 2021, uma empresa com média de 500 a 2000 funcionários utiliza cerca de 805 aplicações e serviços distintos na nuvem. O crescimento de tais soluções foi de 22% no primeiro semestre de 2021, em comparação com um aumento de 12% durante o mesmo período do ano anterior.

Porém, o percentual de malwares distribuídos por meio de arquivos armazenados em cloud também aumentou — no segundo trimestre de 2021, 68% das ameaças foram instaladas por meio de downloads de arquivos em nuvem.

Adoção da nuvem e aumento de ameaças virtuais

O estudo alerta para a necessidade de adoção de cuidados, pois as ameaças virtuais colocam dados corporativos e pessoais em risco. Ao evitar os ataques, seu negócio deixa de ter problemas sérios relacionados ao vazamento de informações, além de garantir menor exposição a outros crimes, como o ransomware (quando os dados são criptografados e os criminosos cobram uma espécie de resgate para descriptografá-los). Assim, o investimento em segurança impacta diretamente no melhor desempenho financeiro da organização. 

Segundo o relatório, na maioria dos casos o risco de infiltração acontece por meio de informações expostas em redes públicas de Internet, facilitando o acesso ao endereço IP e às diversas informações dos usuários. Os invasores estão utilizando cada vez mais aplicativos de nuvem populares para entregar malware: a NetsKope detectou e bloqueou downloads de malware originados de 290 aplicativos de nuvem diferentes no primeiro semestre de 2021.

O estudo alerta para a importância de as empresas evitarem o uso de aplicativos populares e migrarem para sistemas mais seguros, a fim de atender suas necessidades e diminuir riscos. As duas principais categorias de aplicativos em nuvens que cresceram no primeiro semestre de 2021 foram os de consumo e de colaboração, que passaram a ser mais utilizados durante a pandemia de Covid-19, em que as pessoas buscaram colaboração para se conectar às suas equipes de trabalho.

Políticas de segurança de dados

No início da pandemia e do trabalho remoto, houve um aumento no número de usuários que visitam sites perigosos, incluindo conteúdo adulto, compartilhamento de arquivos e sites de pirataria. Com o passar do tempo, esse número diminuiu bastante, à medida que as equipes de TI orientavam os times sobre as políticas aceitáveis de uso de redes corporativas.

Mas, independente de o trabalho ser presencial, híbrido ou remoto, é necessário cada vez mais necessário implementar políticas de segurança de dados, não contar com o apoio apenas de aplicativos populares e estabelecer uma segurança baseada em princípios que visam proteger informações confidenciais na web e na nuvem.



Matérias relacionadas

ciberseguranca pmes Estratégia

Falta de cibersegurança causa efeitos notórios nas PMEs, mostram pesquisas

Mais de 27% das pequenas e médias empresas (PMEs) não colocam a cibersegurança como prioridade no orçamento

migracao para cloud Estratégia

5 erros na migração para cloud

Planejamento e equipe capacitada estão entre os principais cuidados para as organizações que desejam fazer a migração para cloud

Ásia tecnologia Estratégia

Lições da Ásia para o futuro da tecnologia

Estudo aponta que haverá mais 900 milhões de usuários de internet na Ásia até 2025, o que demanda investimentos de mais US$ 151 bilhões em TI até esta data

varejo tecnologia Estratégia

Varejo usa tecnologia para entregar boa experiência de consumo 

Com participação do Boticário, 5º episódio da minissérie Empresas Líquidas mostra como os dados e a tecnologia empoderam o cliente no varejo