fintechs no metaverso

Metaverso abre novas possibilidades para as fintechs

2 minutos de leitura

As fintechs já nasceram com a aposta em tecnologia, trazendo novas soluções aos usuários de serviços financeiros; metaverso é o próximo passo



Por Redação em 11/03/2022

Desde que o Facebook mudou seu nome para Meta, o termo metaverso ganhou a atenção das pessoas e suas potenciais funcionalidades despertaram o interesse de organizações de diversos segmentos – inclusive as fintechs, startups que já nasceram aliando a tecnologia aos serviços financeiros. 

O metaverso, segundo a consultoria Gartner, funciona como um espaço compartilhado virtual coletivo, criado pela convergência da realidade física e digital, capaz de proporcionar experiências imersivas aprimoradas. Para o universo das fintechs, esse aspecto de realidade virtual e realidade aumentada abre um grande leque de oportunidades, que vão desde a melhoria do atendimento até novas formas de utilização dos serviços financeiros.

25% da população estará no metaverso até 2026

O público para isso, conforme a Gartner, tende a ser cada vez maior: até 2026, a empresa estima que 25% das pessoas passarão pelo menos uma hora por dia no metaverso para trabalho, compras, educação, entretenimento e interação social. 

metaverso

“As empresas terão a capacidade de expandir e aprimorar seus modelos de negócios de maneiras sem precedentes, passando de um negócio digital para um negócio no metaverso”, disse Marty Resnick, vice-presidente de pesquisa da Gartner. Segundo ele, até 2026, 30% das organizações do mundo terão produtos e serviços prontos para o metaverso.

A economia virtual, no entanto, deve se basear no uso de moedas digitais e tokens não fungíveis (NFTs). Isso porque não há limites geográficos físicos no metaverso, o que requer soluções baseadas em finanças descentralizadas, ou seja, não controladas por um Banco Central. 

Criptoeconomia será a base das fintechs no metaverso

No ano passado, os criptoativos ultrapassaram US$ 3 trilhões em valor de mercado. Vários ETFs com ativos digitais foram lançados e houve um crescimento de investidores institucionais. 

O número de empresas consideradas como unicórnio no setor cripto aumentou 491% somente em 2021. “Em síntese: as criptomoedas chegaram para ficar e impactar quase todos os setores da economia global”, disse Divaldo Oliveira, CEO da Wedoiti, em artigo publicado na página Fintechs Brasil. Segundo ele, grandes bancos estão emitindo relatórios dedicados a investimentos em criptomoedas e é cada vez maior a quantidade de varejistas aceitando esse meio de pagamento.

“Como consequência, cada vez mais governos, fundos de investimento e empresas estão formulando sua estratégia para a criptoeconomia e fazendo investimentos para garantir que estejam bem-posicionados no futuro”, completou. 

“A capacidade de gerenciar finanças e transações neste novo ambiente será a chave para torná-lo tão envolvente e comparável à vida real”, afirmou Victor Chatenay, analista de fintechs do Insider Intelligence, à Fintechs Brasil. “As fintechs maduras podem explorar a criação de seus próprios metaversos: o mercado NFT da Coinbase, por exemplo, incluirá feeds pessoais com base nos interesses de cada usuário para ajudar a conectá-los com usuários e criadores com ideias semelhantes”.



Matérias relacionadas

metaverso corporativo Inovação

4 casos de uso do metaverso no ambiente corporativo

De processos seletivos a reuniões, o metaverso possibilita experiências diferenciadas e interativas aos profissionais

Inovação

Viena avança como cidade inteligente com plataforma de dados urbanos em código aberto

A capital da Áustria, Viena, avança como cidade inteligente com gestão de dados em código aberto para mobilidade, saneamento e energia

cidades inteligentes Inovação

Tecnologia habilita cidades inteligentes

A tecnologia permite que os municípios entendam as demandas dos cidadãos, invistam em segurança pública, melhorem o trânsito, entre outros quesitos das cidades inteligentes

usina de Ouro Branco Inovação

Parceria com Embratel habilita indústria 4.0 na Gerdau

Com tecnologia da Embratel, a Gerdau vai implantar uma rede privativa dedicada 5G e LTE 4G em uma de suas fábricas, viabilizando os conceitos da indústria 4.0