iluminação publica

Iluminação pública é o vetor de cidades inteligentes

2 minutos de leitura

Mais do que iluminar, a rede elétrica existente nas cidades pode se transformar em uma ferramenta de gestão, com o avanço do 5G e uso de IoT



Por Redação em 05/10/2023

As luminárias inteligentes não só economizam energia elétrica (com potencial de reduzir o consumo em até 70%), como também viabilizam uma série de iniciativas para automatizar as cidades. “Os postes de iluminação pública são um importante conceito de cidades inteligentes. Em todos eles, por exemplo, é possível colocar sensores para monitorar o clima, permitindo melhor gestão ambiental. Neles, as cidades também podem instalar wi-fi público, sistemas de videomonitoramento, dentre outras soluções”, disse Carlos Botelho, diretor da Embratel, em painel realizado durante a Futurecom 2023.

Segundo o executivo, os postes são a porta de entrada para outras tecnologias que habilitam as cidades conectadas. “Os postes podem funcionar como um repetidor do sinal das operadoras, e a partir deles existem outras soluções, como sensores de bueiro e de tampas de bueiro, sensores de estacionamento, por exemplo”, ilustrou. 

Botelho destacou que essa infraestrutura, em conjunto com dispositivos de internet das coisas (IoT), viabiliza um leque de soluções para a administração pública: gestão de dados de segurança, circulação de pessoas, identificação de zonas de risco, análise de dados por meio de analytics, entre outros. “Isso ajuda o gestor público e empodera os cidadãos”, afirmou, mencionando que a Embratel é uma habilitadora de tecnologias para smart citys. 

Qual o potencial da iluminação inteligente?

O professor e gerente de Projetos do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), Leonardo Luciano de Almeida Maia, destacou o enorme potencial da iluminação pública para o país. “No Brasil, temos mais de 18 milhões de pontos de iluminação pública, que representam 4,3% do consumo total de energia no país”, ressaltou. 

Assim, em sua visão, a adoção de sistemas inteligentes nos postes poderia proporcionar uma melhoria de performance da iluminação, reduzir custos operacionais da rede e monitorar o ambiente, aumentando a iluminação se necessário. Além disso, com a telegestão a manutenção pode ser feita em tempo real. “Hoje, normalmente é o cidadão que informa os serviços públicos sobre o mau funcionamento da iluminação, mas com o uso de tecnologia os gestores conseguem ter essa visão remota, em tempo real”, disse. 

Maia também citou benefícios para a segurança. “Um dispositivo de IoT pode ser programado para aumentar a iluminação, ou fazer com que todas as luminárias pisquem, se houver ações suspeitas, como grito ou disparo de arma de fogo. Isso pode aumentar a segurança da população”, apontou. 

Em Santa Rita do Sapucaí (MG), cidade com 43 mil habitantes, onde o Inatel está localizado, as principais vias de acesso já contam com essa infraestrutura inteligente. Existem câmeras que fazem a leitura de placas dos veículos, integradas com o sistema da Polícia Militar, que podem identificar veículos roubados ou com irregularidades, como atraso em tributos. As câmeras inteligentes estão instaladas em postes e o sistema de integração está sendo desenvolvido pela VS Telecom, com consultoria do Inatel.

Leia também:

Hack Town: festival de inovação busca inteligência e felicidade amplas

A cidade de Recife (PE) também apresentou, durante o evento, iniciativa semelhante. “A prefeitura criou métricas que mostram os benefícios para os cidadãos, como a redução de acidentes. O poste de iluminação que tem a telegestão pode levar a IoT para outro nível, com a possibilidade de monitorar diversas instalações públicas de forma coletiva”, afirmou Janilson Bezerra, diretor geral da ATC. Segundo ele, a expansão de tais sistemas será possível com o 5G em todas as regiões do país, e o próximo passo serão os veículos conectados. 


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

computacao em nuvem Estratégia

Computação em nuvem pode gerar economia de US$ 3 trilhões até 2030

Relatório da consultoria McKinsey aponta melhorias que a tecnologia vai agregar

golpes digitais cresceram Estratégia

Golpes digitais cresceram 35% em 2023

Os golpes bancários ainda lideram a lista por segmentos, no Brasil

ia em bancos Estratégia

Uso de IA em bancos traz hiperpersonalização de atendimento

Instituições financeiras apostam na tecnologia para replicar conceito de private banking no varejo

tentativas de fraude Estratégia

Vendas de fim de ano registram cerca de R$ 83,8 milhões em tentativas de fraude

Contudo, estudo realizado pela ClearSale revelou queda de 15,7% no valor das tentativas, em relação a 2022