migracao para a nuvem

Migração para a nuvem: o novo armazenamento de dados

5 minutos de leitura

A computação em nuvem tem como característica fornecer ferramentas capazes de otimizar a operação dos negócios



Por Redação em 09/01/2024

A migração para a nuvem é um processo que envolve a transferência parcial ou total de dados físicos e aplicações de uma empresa para um ambiente de cloud. Isso exige evolução tecnológica da empresa, pois a inovação demanda diversos cuidados e procedimentos de segurança, especialmente por envolver dados sensíveis da organização. 

A computação em nuvem tem como característica fornecer ferramentas de armazenamento, segurança, software e serviços, capazes de otimizarem a operação dos negócios. Na maioria dos casos, os principais sistemas utilizados pelas empresas são os primeiros impactados com a migração para a nuvem, seguidos de sistemas bancários e de dados. Por isso, quando o assunto é migração para a nuvem, o planejamento antes da execução deve estar no topo da lista de prioridades.

A migração para a nuvem é um processo que contempla várias etapas e inclui a avaliação, o planejamento, a migração propriamente dita e a otimização/modernização dos recursos da empresa. Um programa de migração executado corretamente tem a capacidade de ajudar as empresas na redução de riscos, além de controlar custos.

De acordo com um estudo da Sky.One o mercado de serviços de migração para a nuvem deve chegar a US$ 448,34 bilhões até 2026. No cenário global, muitas empresas já optaram pela migração para a nuvem, sendo que, nos últimos anos, houve uma aumento na adoção da cloud.

Quando migrar para a nuvem?

Uma das principais justificativas de quem faz a migração para a nuvem é a otimização de recursos. Se essa é uma das prioridades da sua empresa, está na hora para começar a planejar a estratégia. A migração é indicada para todas as empresas que almejam o desenvolvimento da organização e a otimização da estrutura, mantendo a segurança de dados.

A otimização da infraestrutura física, aliás, aparece em segundo lugar para as empresas que apostam na migração de dados para a nuvem. Na maioria das vezes, o processo auxilia as organizações também na questão de segurança dos dados, uma vez que é possível aumentar a governança.

A migração para a nuvem é indicada para empresas que planejam escalar de forma flexível, modernizar seus sistemas e, ao mesmo tempo, reduzir custos operacionais, além de priorizar a segurança de dados. Contudo, vale ressaltar que o processo demanda planejamento, o que garantirá que a migração seja bem-sucedida e, mais que isso, que atenda às demandas da empresa. 

Vantagens da migração para a nuvem

migracao para a nuvem

Os principais benefícios são a melhoria do desempenho, a segurança e a escalabilidade para as cargas de trabalho. Algumas empresas optam pela migração para a nuvem por motivos diversos, como os listados a seguir.

Análise de dados

Quando os sistemas operacionais podem ser acessados de qualquer lugar e a qualquer momento, a migração se torna interessante, pois permite a análise de dados em tempo real. Migrar aplicativos de CRM, SAP e outros bancos de dados de marketing, por exemplo, é uma alternativa importante para criar oportunidades de novos negócios, além de aumentar a produtividade. 

Agilidade

A nuvem permite que as organizações se adaptem ao mercado com maior agilidade diante das ações dos concorrentes, o que aumenta as possibilidades de entrada no mercado.

Modernização de dados

Uma transformação digital se consolida quando a empresa opta por abandonar os data centers locais para organizar seus dados na nuvem de forma moderna e ágil. 

Segurança avançada

A nuvem permite que as empresas ou organizações aproveitem ao máximo as ferramentas e os serviços de segurança do provedor, como o gerenciamento de identidade e acesso, chaves de criptografia, arquitetura Zero Trust, entre outros. 

Gerenciamento de ciclos

Geralmente hardware e software têm um período definido de vida útil para uma empresa. Com contratos de licenciamento, o processamento de ciclos de fim de vida útil se torna, na maioria das vezes, um processo oneroso para as empresas. Por isso, ter uma infraestrutura flexível permite trabalhar com mais agilidade e de forma atualizada.

Banco de dados e data centers

migracao para a nuvem

Basicamente um processo de migração para a nuvem é como uma mudança física. Contudo, envolve a transferência de dados, aplicações e processos de TI de alguns data centers para outros.

Quando as empresas passam a considerar a migração do data center para um novo ambiente é que a nuvem entra em cena. Em sua grande maioria, os data centers locais das empresas atingem com facilidade suas capacidades de armazenamento e processamento de dados. Por isso, o uso da nuvem é uma boa alternativa. Além de agregar segurança aos dados, como já apontado anteriormente, a migração para a nuvem pode ser um grande passo rumo à transformação digital da sua empresa. 

Essa estratégia de armazenamento de dados avançou consideravelmente nos últimos 20 anos, passando por mídias individuais, com os disquetes, CDs e pendrives, chegando aos data centers e, agora, ao armazenamento em nuvem. Além da mudança na forma como os dados eram e passaram a ser armazenados, a evolução partiu para áreas estratégicas como a segurança dos dados, por exemplo. Esta, aliás, é uma das mais relevantes justificativas para a migração de dados para a nuvem.

Em suma, a migração para a nuvem permite uma resposta rápida ao crescimento das empresas, de forma a adequar a infraestrutura anterior, que já não comportava mais a estrutura atual da empresa. Ou seja, modernização e segurança para todas as áreas corporativas. 

Quando bem implementada, a migração proporciona o armazenamento dos dados corporativos de forma blindada, com atualizações constantes de segurança, permitindo o acesso remoto aos dados de forma segura. Além disso, a migração é entendida como um modelo que reduz os riscos indesejados e demais ameaças presentes no armazenamento em infraestrutura física.

Nuvem pública, privada e híbrida

Existem três tipos de nuvem: pública, privada e híbrida. A nuvem privada, também chamada de interna ou corporativa, armazena dados de uma única empresa. Ela pode ser hospedada em um data center da própria organização ou fornecida por um provedor de serviços. Já a pública, ao contrário, conta com um provedor que armazena os dados de várias empresas, responsabilizando-se pelo gerenciamento e armazenamento, o que torna a modalidade mais atraente, do ponto de vista financeiro.

Por fim, a nuvem híbrida consiste em um sistema de várias nuvens privadas e públicas, no qual a organização pode espalhar e intercalar o armazenamento das suas informações. Algumas empresas, por exemplo, optam por manter determinados dados em um data center local, migrando apenas uma parte das informações para a nuvem. Além disso, a nuvem híbrida também é uma alternativa útil para o backup de nuvem para nuvem, quando os dados locais são submetidos a backup em uma nuvem pública como uma solução de recuperação, em caso de desastres como incêndios, inundações ou crimes virtuais. 

Passo a passo na migração para a nuvem

Antes de efetuar a migração para a nuvem, é importante lembrar de seguir alguns passos para evitar transtornos durante a execução da tarefa. Confira a seguir.

1. Planejamento

Considere como ponto de partida uma avaliação das atuais demandas da empresa, englobando processos internos e tipos de informações corporativas. 

2. Cronograma para execução de cada etapa

Geralmente, a mudança de modelo de infraestrutura de TI é uma tarefa complexa. Por isso é importante criar um cronograma que retrate a realidade. Ele pode evitar distrações durante o projeto. Uma boa alternativa é partir para uma integração gradual.

3. Escolha do serviço de armazenamento

Optar entre nuvem pública, híbrida, privada ou multicloud dependerá exclusivamente das necessidades atuais e futuras da empresa.

4. Preparo para executar as tarefas

Um dos pontos-chave do processo de migração para a nuvem é o preparo da equipe. Investir em conhecimento é essencial para garantir o sucesso da migração dos dados da empresa para a nuvem. 

5. Teste da segurança da migração

Considerados como a última etapa do processo de migração para a nuvem, os testes de segurança fazem parte do momento crítico da migração. Isso porque todos os dados da empresa estarão no novo servidor e isso demanda que o mesmo esteja em conformidade com a regulamentação para a devida proteção das informações.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

computacao em nuvem Estratégia

Computação em nuvem pode gerar economia de US$ 3 trilhões até 2030

Relatório da consultoria McKinsey aponta melhorias que a tecnologia vai agregar

golpes digitais cresceram Estratégia

Golpes digitais cresceram 35% em 2023

Os golpes bancários ainda lideram a lista por segmentos, no Brasil

ia em bancos Estratégia

Uso de IA em bancos traz hiperpersonalização de atendimento

Instituições financeiras apostam na tecnologia para replicar conceito de private banking no varejo

tentativas de fraude Estratégia

Vendas de fim de ano registram cerca de R$ 83,8 milhões em tentativas de fraude

Contudo, estudo realizado pela ClearSale revelou queda de 15,7% no valor das tentativas, em relação a 2022