Por que uma rede mesh Bluetooth vai criar um ecossistema perfeito de IoT?

Por que uma rede mesh Bluetooth vai criar um ecossistema perfeito de IoT?

2 minutos de leitura

Ao habilitar dispositivos IoT com Bluetooth, empresas conseguem criar ambientes de trabalho automatizados e com integração perfeita.



Por Redação em 30/07/2021

Ao habilitar dispositivos IoT com uma rede mesh Bluetooth, empresas conseguem criar ambientes de trabalho automatizados e com integração perfeita.

Sabia que o Bluetooth vai além de conectar o notebook à impressora do escritório? Atualmente, a tecnologia tem sido usada para criar ecossistemas de Internet das Coisas (IoT) para automatizar ambientes de trabalho com menor interferência humana possível.

Antes de mostramos como isso acontece, vale ressaltar: Bluetooth é uma tecnologia, é um protocolo de comunicação, é uma rede sem fio. Esses sinônimos serão usados ao longo do texto.

Como é feita essa integração via Bluetooth?

Um artigo do site IT Pro destaca que uma rede mesh (ou rede de malha) Bluetooth é responsável por criar uma conexão sem fio entre os dispositivos inteligentes. Assim, é possível automatizar a comunicação entre máquinas, sensores e servidores.

Rede mesh é uma opção alternativa ao protocolo 802.11 de tráfego de dados e voz, além das redes a cabo ou sem fio (Wi-Fi).

Um caso de uso para a rede de malha Bluetooth é suportar os sistemas conectados de um edifício inteligente. A vantagem é conseguir integrar todos os ambientes do prédio, permitindo monitorar e controlar sistemas, como energia, elevador, refrigeração, entre outros.

Outro benefício é ter todos esses sistemas conversando entre si e, ao usar sensores em tempo real, informar o que esses sistemas deveriam ou não fazer.

A rede mesh Bluetooth cria uma IoT perfeita?

A resposta para a pergunta deste intertítulo é sim.

Martin Woolley, gerente de programa técnico do Bluetooth Special Interest Group (SIG), ouvido pelo IT Pro faz uma comparação entre a IoT residencial e a corporativa para explicar o conceito.

Enquanto em uma casa os equipamentos são controlados por comandos de voz, no escritório (ou na indústria ou campo), o que menos se quer é o controle humano. A IoT perfeita é imperceptível para as pessoas.

“O sol que sai de trás da nuvem pode fazer com que o nível de luz ambiente na sala fique mais claro, então o sistema diminui as luzes, muito sutilmente, em tempo real e as pessoas não percebem o que está acontecendo”, explica Wooley.

A automação cria, então, um ambiente de trabalho agradável, sem que ninguém tenha de parar o que está fazendo para ajustar cortinas/persianas, ou alterar o brilho da tela. Isso porque os sensores em tempo real conversam sempre com o controlador de iluminação, instalado dentro das lâmpadas.

Por que o Bluetooth pode ser melhor?

A resposta é simples: dispositivos IoT conectados por uma rede Wi-Fi ainda vão exigir a intervenção de um humano para funcionar. Já com o Bluetooth, isso ocorre totalmente de forma automatizada.

“Você entra em uma sala e é a primeira pessoa nela”, explica Woolley. “Então, um sensor de ocupação sabe que você está lá e diz à rede para mudar para alguns cenários: luzes podem acender no nível certo, as persianas podem baixar, o aquecimento ficar na temperatura certa.”

Embora essa inovação esteja em um estágio inicial, já há escritórios, lojas de varejo e hospitais já usam uma rede mesh Bluetooth, destaca o site IT Pro. A matéria ainda prevê que 360 milhões de dispositivos Bluetooth para edifícios inteligentes sejam enviados às empresas até 2022.

Principais destaques desta matéria

  • Rede mesh Bluetooth vai ajudar as empresas a automatizar sensores e dispositivos IoT.
  • Sem precisar de intervenção de uma pessoa para comandar.
  • Entenda como o protocolo de comunicação pode ser usado para criar um ecossistema IoT perfeito.


Matérias relacionadas

impressora 3d portatil Inovação

Mercado poderá ter impressora 3D que “cabe na mão”

Protótipo tem alta velocidade por usar tecnologia com chips fotônicos

drex liquidez Inovação

Drex: mais liquidez com uso de ativos

Clarissa de Souza, a responsável pela arquitetura que suportará a nova moeda digital, explica a sua funcionalidade e segurança

inclusao mulheres Inovação

Inclusão das mulheres na liderança também chega ao setor financeiro

Para Marisa Reghini, características femininas como colaboração e visão holística têm muito a contribuir para a evolução do setor como um todo

tendencias digitais Inovação

Sete tendências digitais para a década, segundo Sandy Carter

Executiva da Unstoppable Domains é especialista em web 3.0 e apontou caminhos na recente SXSW