Qual o potencial da rede 5G na transformação dos negócios e da sociedade?

Qual o potencial da rede 5G na transformação dos negócios e da sociedade?

3 minutos de leitura

Durante o CIAB FEBRABAN 2021, José Formoso, CEO da Embratel, debate ao lado de outros participantes as oportunidades que a rede 5G trará para o Brasil.



Por Redação em 30/06/2021

Durante o CIAB FEBRABAN 2021, José Formoso, CEO da Embratel, debate ao lado de outros participantes as oportunidades que a rede 5G trará para o Brasil.

O leilão da rede 5G está previsto para acontecer a partir de julho. E se tudo der certo, 27 capitais brasileiras podem contar com a tecnologia até o meio do próximo ano. Com expectativas otimistas, a percepção é a de que o 5G vai transformar a sociedade e os meios produtivos.

Esse foi um dos destaques do painel “Revolução do 5G: A conectividade no Brasil e as oportunidades pra o setor”, promovido pelo CIAB FEBRABAN 2021. O encontro, realizado dia 25 de junho, contou com a participação de José Formoso, CEO da Embratel.

Ao lado de Formoso, também participaram do debate Antônio Carlos Wagner Chiarello, diretor de Agronegócios do Banco do Brasil, Katia Vaskys, gerente-geral da IBM Brasil, Emmanoel Campelo, vice-presidente da Anatel e Alex Salgado, vice-presidente B2B da Vivo.

Confira os principais destaques discutidos no painel.

Rede 5G e os impactos na sociedade

Emmanoel Campelo, da Anatel, abriu o debate falando sobre a importância da nova tecnologia para a sociedade. O vice-presidente comentou que parte da população brasileira ainda acessa à internet com a rede móvel.

Além disso, desde o início da pandemia, ficou evidente um gargalo social entre as pessoas que têm acesso a uma conexão para trabalhar e estudar e as que não têm. Campelo acredita que a rede 5G colocará toda a sociedade em um maior nível de igualdade

“O 5G será um vetor para isso por ser uma rede abrangente e com boas condições de conectividade. A tecnologia vai abrir fronteiras para que as pessoas consigam trabalhar e estudar em qualquer região do país”, comentou.

Já Katia Vaskys, da IBM, complementou que a pandemia impulsionou não somente a transformação digital nas empresas, mas também os indivíduos enquanto pessoas e trabalhadores por eles estarem cada vez mais conectados.

“São pessoas mais conectadas, informadas e mais inteligentes que buscam valores sólidos em suas relações de consumo. Isso vai exigir criar novos modelos de negócios diferenciais e plenos”, disse no painel.

E com o 5G, ela espera que as tecnologias já existentes serão aprimoradas o que permitirá às empresas a adoção de aplicações totalmente novas [aos usuários]. “Será uma era com muitos benefícios, novas maneiras de aprendizagem para aprofundar mais o relacionamento humano.”

As oportunidades para a indústria

Durante sua fala, José Formoso destacou como a inovação pode ser fomentada nas indústrias. Parte disso deve-se ao motivo de a rede 5G poder ser “personalizada”, abrindo oportunidades para a adoção de robôs, por exemplo, no chão de fábrica.

Ainda mais quando a tecnologia apresenta alta velocidade de internet e baixa latência, permitindo que uma fábrica consiga gerenciar a rede privada e todos os equipamentos conectados a ela ao inserir um chip de baixa potência.

“Uma fábrica poderá acompanhar esse equipamento, desde a logística quando sai da produção até seu uso no chão de fábrica. Ela vai conseguir acompanhar toda essa cadeia e poder agregar novos serviços aos clientes”, disse Formoso.

FIQUE POR DENTRO: Os impactos do 5G na transformação digital das indústrias?

As expectativas do setor financeiro com o 5G

Com diversos casos de uso, o 5G pode potencializar tecnologias já conhecidas pelo público: biometria, reconhecimento facial e de voz, realidade aumentada e realidade virtual. No setor financeiro, há ainda oportunidades de serviços digitais e aplicações de detecção de fraude.

Como ressalta Antônio Carlos Wagner, do Banco do Brasil, o setor financeiro hoje é pautado em uma infraestrutura com modelos mais tradicionais de negócios. A chegada do 5G, no entanto, vai fazer com que as instituições passem a olhar os usuários conectados a um smartphone.

Na opinião do executivo, usuários com um smartphone na mão terão informações e transações feitas de forma mais rápida com o 5G. Sem contar que a tecnologia vai levar acesso e serviços a um número maior de pessoas.

“Além disso, ela vai possibilitar novas experiências ao cliente, potencializando o uso de realidade aumentada e realidade virtual, com elevada qualidade de streaming. E isso traz uma proximidade e agilidade muito maior para atender os clientes”, comentou.

O CIAB FEBRABAN 2021 aconteceu virtualmente de 22 a 25 de junho e debateu a importância da retomada conectada, sustentável e resiliente. O debate sobre a rede 5G, com participação de José Formoso, da Embratel, você pode conferir no player abaixo:

Principais destaques desta matéria

  • CIAB FEBRABAN 2021 debateu poder transformador da rede 5G na sociedade.
  • Painel contou com participação de José Formoso, CEO da Embratel.
  • Confira o que ele e outros participantes discutiram sobre o 5G e como a tecnologia vai habilitar novos modelos de negócio.

E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

iot em servicos financeiros Conectividade

Bancos prospectam IoT em serviços financeiros

Combinação de dispositivos inteligentes e conectividade 5G abre novas possibilidades, que ainda precisam passar pelo crivo do mercado

multicloud hibrida Conectividade

Empresas melhoram resultados com uso de multicloud híbrida

Explorar os diferenciais de funcionalidades e custos dos provedores implica novas abordagens de gerenciamento e tomada de decisão

satelite da embratel Conectividade

Cindactas da Força Aérea vão usar comunicação satelital da Embratel

Comando da Aeronáutica contrata serviços na Banda C, com satélite Star One C3

baixa conectividade significativa Conectividade

Brasil tem maioria da população com baixa conectividade significativa

Levantamento do Cetic.br/NIC.br apontou que os brasileiros tem deficiências no acesso, no uso e na apropriação da rede