redes privativas

Redes privativas serão predominantemente locais, segundo especialista

< 1 minuto de leitura

Especialista da Claro defende que redes privativas serão predominantemente locais.



Por Redação em 01/02/2023

Essa é a avaliação de Luiz Fernando Bourdot, diretor de evolução de tecnologias de rede da Claro. Para ele, a tendência se explica, entre outras coisas, pela ampliação da computação de borda (edge computing), que descentraliza o processamento das operadoras de telecomunicações e as deixa mais próximas de seus clientes.

“O advento de redes privativas é alavancador para fazer isso chegar mais próximo do usuário, para a aplicação mais específica”, argumentou o executivo durante o evento Teletime Tec – Redes & Infra, promovido pelo site Teletime.

Segundo Bourdot, o maior gargalo é a automação de toda a infraestrutura para permitir esse processo de levar a computação mais próxima. Isso afeta, inclusive, aplicações de fatiamento de rede, “uma promessa do 5G que se concretiza com alto grau de automação da rede”. Ele considera que é necessário a modernização do backoffice, trazendo suporte a diferentes gerações.

O especialista da Claro também defendeu que há situações nas quais a conexão satelital acaba sendo complementar em relação às redes privativas. Ele citou como exemplo a infraestrutura implantada em mineradoras, que possuem frotas automatizadas de caminhões gigantes, entre outras características.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

carlos eduardo gabriel Estratégia

Citi avança no uso de inteligência artificial

Com Centro de Excelência em Inteligência Artificial (CoE), o banco conduz estratégia para aprimorar práticas e adoção da tecnologia, explica especialista de dados da instituição

relatorios esg Estratégia

Relatórios ESG obrigatórios ganham protagonismo

Empresas de capital aberto vão precisar se adaptar à regulação, que começa em 2026

regulamentação ia Estratégia

UE aprova regulamentação do uso da IA

A União Europeia é pioneira com o projeto de lei original, apresentado pela primeira vez em abril de 2021

ciberataques na nuvem Estratégia

Ciberataques na nuvem se tornam mais frequentes e perigosos

Relatório da CrowdStrike revela que esse tipo de ataque cresceu em 75% dos casos em 2023