Imagem conceito de cabos ligados a um data center transmitindo dados

A história do Brasil conectado

3 minutos de leitura

Lembranças do Diretor de Vendas Luciano Carino nos contam como surgiram o primeiro backbone brasileiro e o acesso pessoal à internet.



Por Redação em 29/10/2018

Foi por uma ordem do ex-ministro das Telecomunicações, Sérgio Motta, em 1994, que uma equipe de três técnicos da Empresa Brasileira de Telecomunicações se sentou em uma sala para conectar a ampla população do Brasil ao mundo. Luciano Carino, colaborador da Embratel há 38 anos, estava lá.

“Sabe qual foi a maior dificuldade de trazer a internet para o Brasil? É que não tinha internet!”, conta ele, que agora é um diretor dos mais animados.

Carino quer dizer que não tinha um site de buscas, no qual fosse possível realizar as pesquisas. Não havia e-mails da forma como temos hoje nem a variedade de aplicações existentes atualmente. A rede estava restrita a universidades e poucas empresas ligadas à tecnologia.

A primeira tarefa do grupo foi estudar tudo o que havia a respeito da internet acadêmica para, então, implantar o embrião do NOC – um roteador Cisco 7000. Surge a internet comercial no Brasil, a partir da criação de um backbone, tornando a Embratel o primeiro provedor de acesso discado do País.

“A gente não fazia a mínima ideia do volume que isso ia gerar, não fazia a mínima ideia de quantidade. Os nossos primeiros clientes foram Mandic, UOL… A gente vendia acesso, era o provedor dos provedores.”

Na conta feita pela Embratel, no primeiro ano de internet, a demanda seria de 10 clientes – provedores para acesso. Foram 60. No segundo ano, 300. Isso considerando que, na época, 90% do acesso era direcionado a sites externos.

Técnica

O primeiro link, ativado em maio de 1995 e que permaneceu durante todo o ano inicial da internet no Brasil, era de 384 KB – para a saída inteira do País, dividida entre todos os provedores.

“Para você ter uma ideia, hoje um acesso Wi-Fi simples tem 500 MB. Mas como o computador era mais lento, as pessoas tinham mais paciência ao utilizá-lo. Era até romântico”, ri Carino.

A engenharia consistia na transmissão de dados em intervalos de um canal de voz, pois não existia uma rede única para dados, já que não havia capilaridade para isso. “Naquele momento, a voz é que ia ser perene. Os dados eram uma brincadeira. A gente, nas horas vagas, fazia ‘sisteminhas’ para transmitir poucos dados na rede de voz. Hoje, a ideia foi totalmente invertida. Tudo é dado.”

Por isso, o acesso à internet era uma ligação, chamada de conexão dial-up. No entanto, Carino lembra que a tecnologia do Wi-Fi existe há 40 anos, o que faltava eram dispositivos para que ela pudesse funcionar com todas as suas capacidades.

Linha do tempo da internet

A internet completa 49 anos em 2018. A rede que existe hoje é uma superevolução de um projeto desenvolvido pelos Estados Unidos na década de 1960, durante a Guerra Fria. Para descentralizar as informações nacionais do Pentágono, evitando uma perda irreparável em caso de ataque, foi criada a Arpanet, uma rede de conexão da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada dos Estados Unidos (Darpa).

Essa primeira rede era apenas um sistema de fragmentação e codificação de dados, de modo que os documentos pudessem ser quebrados e divididos em trechos com dados, endereços de destinatários e outras informações que permitiam a remontagem do documento completo. Em 1970, surgiram os protocolos de internet, como o TCP/IP, e em 1974 foi usado pela primeira vez o termo “internet” para uma rede global. Já em 1983 entrou no ar a primeira rede de grande extensão baseada nesse protocolo.

A próxima etapa foi o desenvolvimento da National Science Foundation Network, um conjunto de redes universitárias interconectadas em 56 KB. A partir do Protocolo de Internet, a transmissão de dados entre redes conectadas pelo mesmo IP passou a ser possível, de forma que todos os computadores poderiam navegar pelos arquivos e trocar mensagens. Próximo passo? Surgiram os backbones.

Depois de todas essas etapas, foram os interesses comerciais que propiciaram a popularização da internet. No final dos anos 1980, surgiram os primeiros serviços de correio eletrônico e provedores de conexão dial-up. E, finalmente, em 1992, conhecemos o “www” – a World Wide Web – uma criação do cientista Tim Berners-Lee para que a Organização Europeia para Investigações Nucleares pudesse oferecer a possibilidade de trabalho conjunto e em tempo real aos seus colaboradores. A continuidade disso nos trouxe ao lugar onde estamos hoje, conectados full time em múltiplas plataformas e telas, com um infinito de conteúdos passando diante de nós e sendo oferecido por nós aos outros.



Matérias relacionadas

cidades mais inteligentes do Brasil Conectividade

Quais são as cidades mais inteligentes no Brasil

Entenda como o Ranking Connected Smart Cities avalia quais são as cidades mais inteligentes do Brasil e como elas estão evoluindo

5g em sp Conectividade

Regulação do 5G em SP avança para 242 cidades

Estado de São Paulo fecha 2023 com mais cidades legalizando a quinta geração de telefonia móvel

conectividade e inclusão digital Conectividade

Conectividade e inclusão digital estão no caminho das cidades inteligentes

Em 2023, 84% dos brasileiros tiveram acesso à internet, mas 29 milhões de pessoas ainda não têm conectividade

brasil satelites Conectividade

Brasil tem potencial para ser líder em satélite na América Latina

Mercado brasileiro pode ocupar um pedaço da indústria espacial global, que deve chegar a US$ 1 trilhão em 2030