Como será o acesso dos funcionários aos dispositivos de uma empresa

Como será o seu acesso aos dispositivos da empresa em que trabalha?

2 minutos de leitura

Segundo a Gartner, empresas que já usam autenticação biométrica estão dispostas a centralizar a solução em aplicativos para smartphones.



Por Redação em 01/08/2019

Segundo a Gartner, empresas que já usam autenticação biométrica estão dispostas a centralizar a solução em aplicativos para smartphones.

Principais destaques:

  • Empresas que utilizam autenticação biométrica para acesso de funcionários planejam “simplificar” essa ação;
  • Gartner prevê que, até 2022, 70% dessas companhias vão fazer a autenticação biométrica por um app de celular;
  • Solução promete mais confiança, menor custo e melhor experiência do usuário;
  • Empresas devem ficar atentas à vulnerabilidade presente em smartphones;
  • Gartner avalia ainda que a adoção do modelo como serviço deve crescer até 2022.

Empresas que utilizam autenticação biométrica para o acesso de seus funcionários — seja o acesso ao prédio ou à infraestrutura de rede, por exemplo — estão mais dispostas a implementar a solução em apps para telefones celulares, independentemente do tipo de dispositivo em que a biometria será usada.

Uma previsão da consultoria Gartner mostra que, até 2022, 70% dessas companhias esperam usar essa solução de segurança. Em 2018, a fatia de empresas que tinham isso em mente era de 5%.

E quais são os motivos para esse aumento de interesse? A busca por uma solução de segurança que combine confiança (que a autenticação biométrica confere), custos menores e melhor experiência de usuário/consumidor (UX/CX).

“Implementar a autenticação biométrica via apps de smartphone dá mais consistência em UX/CX e é tecnicamente mais simples para dar suporte do que em diferentes tipos de dispositivos”

Ant Allan, vice-presidente de pesquisa da Gartner

Mas, alerta a consultoria, dada a vulnerabilidade dos smartphones é essencial que as empresas que estejam com esse objetivo em mente invistam também em soluções que evitem a invasão dos sistemas de autenticação biométrica com credenciais falsas.

IAM como serviço irá suportar essa demanda por autenticação biométrica

Para atender essa demanda por autenticação biométrica em aplicativos, a Gartner prevê que as empresas adotarão recursos de Identity Access Management (IAM) no modelo Software como Serviço (SaaS).

A estimativa da consultoria é de que, até 2022, 40% das grandes e médias empresas globais adotarão recursos de Identity Access Management no modelo as a service, contra 5% das que já faziam isso em 2018.

Mas adotar essa solução, pondera a consultoria, exige que as empresas já tenham estabelecido o IAM tradicional (em arquiteturas de aplicativo) com suporte satisfatório aos seus negócios.

As oportunidades em adotar esse modelo

A autenticação biométrica tem se tornado cada vez mais comum. É difícil atualmente um smartphone, por exemplo, ser lançado no mercado sem essa tecnologia.

Outro ponto importante é que a adoção dessa tecnologia permite que as funcionalidades sejam entregues na nuvem, reduzindo os custos da empresa em manter um servidor e em equipamentos para garantir a continuidade da biometria.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

cidades mais inteligentes do Brasil Conectividade

Quais são as cidades mais inteligentes no Brasil

Entenda como o Ranking Connected Smart Cities avalia quais são as cidades mais inteligentes do Brasil e como elas estão evoluindo

5g em sp Conectividade

Regulação do 5G em SP avança para 242 cidades

Estado de São Paulo fecha 2023 com mais cidades legalizando a quinta geração de telefonia móvel

conectividade e inclusão digital Conectividade

Conectividade e inclusão digital estão no caminho das cidades inteligentes

Em 2023, 84% dos brasileiros tiveram acesso à internet, mas 29 milhões de pessoas ainda não têm conectividade

brasil satelites Conectividade

Brasil tem potencial para ser líder em satélite na América Latina

Mercado brasileiro pode ocupar um pedaço da indústria espacial global, que deve chegar a US$ 1 trilhão em 2030