setor eletrico ciberseguranca

Digitalização do setor elétrico requer cuidados em cibersegurança

2 minutos de leitura

O aumento de ataques a empresas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica deve ampliar investimentos em segurança digital em 2021, inclusive no Brasil



Por Redação em 04/01/2022

De acordo com a Fortinet, o setor de energia e utilities foi o sexto, em termos globais, com maior incidência de ataques do tipo ransomware no primeiro semestre de 2021. As empresas que operam na distribuição de energia são consideradas as mais vulneráveis, devido ao maior número de ativos na rede. A perspectiva, com a instalação de medidores inteligentes, é de que o número de incidências aumente. 

Para ilustrar, apenas neste ano a paranaense Copel e a estatal federal Eletronuclear, da Eletrobras – que opera as usinas atômicas de Angra 1 e 2 – revelaram terem sido alvos de tentativas de invasão, embora infraestruturas relacionadas aos serviços de energia não tenham sido afetadas. Em 2020, as brasileiras  Energisa e a Light também relataram ocorrências, assim como as europeias Enel e EDP, que possuem unidades no país.

Para a PwC, que também realizou um estudo do segmento, as novas tecnologias, como robótica, inteligência artificial (IA), machine learning e Internet das Coisas (IoT) permitiram grandes avanços, como a possibilidade de operar remotamente grandes instalações, plantas e subestações, mas também aumentaram de forma drástica a exposição das empresas a ameaças. 

Redes devem ter requisitos mínimos de segurança

Para reduzir a incidência de ataques, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), responsável por coordenar o acionamento de usinas e o uso de linhas de transmissão, iniciou discussões para propor critérios e requisitos mínimos de segurança cibernética para o setor. Afinal, os ataques podem resultar em falhas no fornecimento ou exposição de dados dos clientes, entre outros problemas. As definições do órgão incluem o estabelecimento de inventário de ativos, gestão de vulnerabilidade e de acessos. 

Diversas questões, como a migração de funcionários para o trabalho remoto e a implantação de soluções como ominicanalidade e automedição de consumo, aumentam a exposição aos riscos nas redes elétricas e, por isso, Roberto Suzuki, gerente regional sênior de tecnologia operacional (TO) da Fortinet, avalia que “é preciso trabalhar o conceito de ‘Security Driven Networking’, no qual a implementação de conectividade de rede já integra os conceitos de segurança desde o princípio da operação”.

Em reportagem do site de notícias Infraroi, ele explicou que, dessa forma, é possível reduzir custos e ampliar a eficiência operacional, de modo significativamente maior do que tentar “remediar” a segurança de uma infraestrutura digitalizada.



Matérias relacionadas

ciberseguranca pmes Estratégia

Falta de cibersegurança causa efeitos notórios nas PMEs, mostram pesquisas

Mais de 27% das pequenas e médias empresas (PMEs) não colocam a cibersegurança como prioridade no orçamento

migracao para cloud Estratégia

5 erros na migração para cloud

Planejamento e equipe capacitada estão entre os principais cuidados para as organizações que desejam fazer a migração para cloud

Ásia tecnologia Estratégia

Lições da Ásia para o futuro da tecnologia

Estudo aponta que haverá mais 900 milhões de usuários de internet na Ásia até 2025, o que demanda investimentos de mais US$ 151 bilhões em TI até esta data

varejo tecnologia Estratégia

Varejo usa tecnologia para entregar boa experiência de consumo 

Com participação do Boticário, 5º episódio da minissérie Empresas Líquidas mostra como os dados e a tecnologia empoderam o cliente no varejo