machine learning em transporte

Empresas adotam machine learning em transporte de cargas

2 minutos de leitura

Uso da tecnologia acontece em movimentações em terra e no mar e contribui para a eficiência de cadeias de suprimento



Por Redação em 19/10/2023

A aplicação do machine learning e da inteligência artificial está transformando a maneira como o rastreamento de cargas é realizado, tanto em terra quanto no mar. As tecnologias têm ganhado destaque em diversos setores produtivos e estão agora aprimorando a visibilidade da cadeia de suprimentos, prometendo uma evolução significativa nas aplicações práticas do segmento logístico.

Um exemplo de aplicação é o uso do machine learning nas cercas eletrônicas, também conhecidas como geofences, que contam com recursos que delimitam perímetros geográficos virtuais por meio de GPS, Wi-Fi e outras soluções. Embora sejam valiosas para o rastreamento em tempo real de cargas de caminhão, as geofences podem apresentar imprecisões quando se trata de lidar em distâncias maiores, resultando em dados de rastreamento imprecisos e compromissos perdidos.

Cercas eletrônicas

Essa brecha foi vista como oportunidade por Pierre Jacquin, vice-presidente da project44, empresa especializada na tecnologia de cercas eletrônicas. De acordo com ele, o machine learning pode aprimorar a geolocalização, criando cercas geográficas menores com base em dados reais e históricos, permitindo uma abordagem mais precisa.

Segundo nota do site Cargas e Transportes, no caso de cargas marítimas, a project44 desenvolveu cercas geográficas ao redor de portos e terminais oceânicos em todo o mundo, combinando dados de rastreamento por satélite para oferecer visibilidade completa. Essa abordagem seria mais rápida do que esperar por eventos relatados pelas operadoras, garantindo detecção precisa quando uma embarcação entra ou sai da geofence.

Outra frente de aprimoramento envolve os chamados tempos estimados de chegada (ETAs), que são calculados por métodos tradicionais. As imprecisões, nesse caso, envolvem fatores  imprevisíveis, como o tempo de permanência em depósitos e o comportamento humano nas estradas. Para aprimorar a precisão dos ETAs de cargas de caminhão, o machine learning tem sido usado para treinar modelos com bilhões de pontos de dados, considerando fatores como o comportamento do motorista, sazonalidade e características do veículo.

Nos casos de ETAs marítimos, o algoritmo é continuamente ajustado com base na localização do contêiner durante sua jornada, considerando informações detalhadas sobre horários de navegação, ETAs dos navios, congestionamento do porto e atributos do navio e do contêiner.



Matérias relacionadas

web summit startups Inovação

No Web Summit Rio 2024, falando a língua universal das startups

Muitas dessas empresas estão na vanguarda de pesquisa e desenvolvimento de soluções para os desafios mundiais

infraestrutura de nuvem com ia Inovação

No próximo nível, como será a implementação da infraestrutura de nuvem com IA?

Durante o Web Summit Rio 2024, no estande do beOn, hub de inovação da Claro e da Embratel, especialistas estão recebendo convidados para discussões pontuais

startups embratel Inovação

Aquisições estratégicas impulsionam a inovação, mostra Embratel

Ao buscar a aquisição de uma startup, a Claro e a Embratel preservam as culturas corporativas, ao mesmo tempo em que procuram empresas que se adequem ao seu modelo estratégico de negócio

hiperpersonalizacao cliente Inovação

Hiperpersonalização: o cliente no centro das estratégias

Operação brasileira do Burger King usa inteligência artificial e machine learning para personalizar cada vez mais as ofertas aos clientes, que assumiram, de fato, o core da estratégia da companhia