Febraban Tech
nuvem

Nuvem coloca futuro em movimento na Febraban Tech 2023

3 minutos de leitura

A migração para cloud depende de modernização da arquitetura tecnológica, o que pode associar segurança e robustez operacional



Por Redação em 26/06/2023

É impossível falar de transformação digital no setor financeiro sem citar nuvem (cloud computing), uma vez que a escalabilidade com baixo custo, a flexibilidade no armazenamento e a segurança no backup de dados são imprescindíveis para o setor. Definitivamente, a nuvem coloca o futuro em movimento no setor bancário. O tema será discutido durante a Febraban Tech 2023, evento que acontece em São Paulo no final de junho. 

De acordo com a Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária 2023, 67% dos bancos já migraram alguma aplicação para cloud pública e/ou privada. Destes, 36% representam soluções de ERP, 44% de CRM e 29% de Analytics e Business Intelligence. A migração para cloud depende de modernização da arquitetura tecnológica, o que pode associar segurança e robustez operacional. Nesse sentido, os bancos têm optado por migrações em etapas, que compreendem também os canais digitais, como internet banking e mobile. Outro dado revelado pela pesquisa é o interesse das instituições bancárias em desenvolver sistemas cloud native, ou seja, aqueles já são adaptados para cloud pública.

Otimização e priorização de cloud

De acordo com estudos da Deloitte, num cenário global, 80% dos players de serviços financeiros adotam pelo menos uma estratégia multicloud. Por se tratarem de diferentes provedores, a gestão de produtos e de plataformas se torna complexa e exige uma reorganização para a unificação das operações. No entanto, isso pode ser otimizado com o uso de tecnologia que ofereça uma única camada de gerenciamento entre clouds.

Quando a tomada de decisões sobre gastos é baseada em dados e insights, a nuvem possibilita o efetivo controle dos custos. Além disso, trabalha questões de governança de TI e financeira. Esse movimento de consumo em ambientes multicloud converte o FinOps em um sistema que visa não somente a redução de custo com a adoção de cloud, mas, principalmente, a geração de valor agregada a ele.

Um dos executivos do sistema bancário que participou desta edição da Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária declarou que a opção por multicloud foi tomada com base na possível redução de riscos.  “Investimos na estratégia multicloud devido à sua flexibilidade, agilidade e capacidade de mitigar eventuais riscos, por questões de indisponibilidade ou instabilidade”, declarou. 

Fator segurança da nuvem bancária

nuvem banco

Uma das vantagens de utilizar a nuvem no sistema bancário é a possibilidade de utilização em departamentos diferentes, de acordo com a necessidade do gestor. Da mesma forma, a gesgtão de recursos e/ou centro de custos pode ser individualizada, conforme as necessidades de cada departamento. Nesses casos, o habilitador é quem controla os limites das contas gerenciadas. O mais importante disso é que ele atua de forma agnóstica. Em outras palavras, o habilitador não tem acesso aos dados individuais do cliente final. 

Segundo a Amazon Web Services (AWS), parceira da Embratel enquanto habilitadora de soluções cloud, nos últimos anos, em decorrência da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), o mercado exige esse tipo de comportamento. A forte legislação do Banco Central também reafirma o compromisso com a segurança de dados digitais. 

Tecnologia de nuvem será discutida na Febraban Tech 2023

Um dos assuntos que estarão em alta na Febraban Tech 2023 é a nuvem. O evento de tecnologia e inovação do setor financeiro que acontecerá entre os dias 27, 28 e 29 de junho, no Transamérica Expo Center, em São Paulo (SP), trará representantes do mercado global para discutir o tema. Entre os convidados, estão: Jenn Darkazalli e Wagner Arnaut, ambos da IBM; Bruno Domingues, da Intel; Cíntia Barcelos e Gloria Kojima, do Bradesco; Fabio Napoli e Ricardo Guerra, representando o Itaú Unibanco; Ricardo Contrucci, do Santander Brasil; Tatiana Orofino, da AWS; Jorge Krug, do Banrisul; Daniela Binatti e Ricardo Josuá da Pismo, do Itaú Unibanco; Andres Sutt, que vem da Estônia, entre tantos outros nomes. 

Acompanhe a cobertura do Próximo Nível sobre a Febraban Tech 2023.



Matérias relacionadas

multicloud hibrida Conectividade

Empresas melhoram resultados com uso de multicloud híbrida

Explorar os diferenciais de funcionalidades e custos dos provedores implica novas abordagens de gerenciamento e tomada de decisão

satelite da embratel Conectividade

Cindactas da Força Aérea vão usar comunicação satelital da Embratel

Comando da Aeronáutica contrata serviços na Banda C, com satélite Star One C3

baixa conectividade significativa Conectividade

Brasil tem maioria da população com baixa conectividade significativa

Levantamento do Cetic.br/NIC.br apontou que os brasileiros tem deficiências no acesso, no uso e na apropriação da rede

jornada digital Conectividade

Conectividade continua crucial para jornada digital dos bancos

Especialistas do mercado financeiro mostram como a hiperconectividade habilita mercados e negócios