Primeiro vem a inovação, depois as melhorias

2 minutos de leitura

Mário Rachid, diretor-executivo de Soluções Digitais da Embratel, relaciona inovação, proatividade e ousadia em entrevista ao Mundo + Tech.



Por Redação em 04/10/2018

Em todos os eventos e ambientes que reúnem executivos do País e do mundo não se fala em outra coisa: a transformação digital está inserida nas discussões e nas intenções das empresas. Diante disso, já é certo que o caminho tem uma única direção no sentido da adaptação obrigatória. Mais do que infraestrutura e condições financeiras, o que ainda trava o processo é o receio de mudar.

A necessidade de vencer esse desafio e garantir a presença das marcas no futuro é o tema abordado pelo diretor-executivo de Soluções Digitais da Embratel, Mário Rachid, na entrevista a seguir.

O que é fundamental, neste momento, para a gestão eficiente e sustentável de um negócio?
Mário Rachid: A gestão eficiente é a base para o sucesso dos negócios. Neste momento de crise econômica e turbulência política, ou seja, de incertezas, ela se torna ainda mais primordial. Para que uma gestão seja eficiente e sustentável, é preciso atuar em pontos centrais do negócio, e não por espasmos. Quero dizer que deve existir um planejamento estratégico e regras bem definidas para serem seguidas e acompanhadas. Isso se faz com controle (sem grandes excessos), disciplina e criatividade – e neste último item entra a tecnologia. O uso correto da tecnologia pode fazer com que a gestão eficiente se torne sustentável e alcance os objetivos de maneira mais rápida e com menos custos.

O que é tecnologia para você?
MR: Se usarmos uma das definições clássicas da palavra “tecnologia”, veremos que tecnologia é a aplicação do conhecimento técnico e científico na transformação do uso de ferramentas, materiais ou processos. Aproveitando essa definição, tecnologia, para mim, é qualquer forma de conhecimento que usamos para transformar a nossa vida, o nosso cotidiano e as nossas empresas.

De que maneira você enxerga as mudanças provocadas pela tecnologia?
MR: Enxergo de maneira positiva. A tecnologia nos faz ver e descobrir coisas que levaríamos anos, décadas para alcançar. Sem a tecnologia não teríamos a qualidade de vida que podemos ter hoje. As nossas empresas não poderiam produzir tanto e nós teríamos menor produtividade. Ou seja, a tecnologia usada para o bem sempre será algo que mudará a nossa civilização para melhor.

Por que os líderes têm medo das mudanças?
MR: A maioria dos seres humanos é avessa a mudanças. Talvez, na liderança, isso seja potencializado, dado o momento em que vivemos. O líder tem medo de ousar e ser penalizado com a perda de emprego ou de ficar marcado como alguém que errou. E aí está o seu maior erro.

Como superar esses medos e ter um comportamento proativo e corajoso?
MR: A melhor forma de acertar é errar e aprender com os seus erros. O que é ideal: desenvolver um produto durante algum tempo – de seis meses a um ano – para chegar a uma solução sem erros, mas que já existe no mercado ou tentar inovar e conseguir um resultado sólido em um ou dois meses, ainda que com diversos pontos de melhoria, porém que não existe no mercado? Certamente, a segunda opção proporcionará a chance de inovar e fará com que os seus clientes o ajudem a desenvolver um produto melhor. Na minha opinião, um líder deve pensar dessa forma. Lembrando que ser proativo não é ser ansioso e que ser corajoso não é fazer qualquer coisa a qualquer preço.



Matérias relacionadas

cidades mais inteligentes do Brasil Conectividade

Quais são as cidades mais inteligentes no Brasil

Entenda como o Ranking Connected Smart Cities avalia quais são as cidades mais inteligentes do Brasil e como elas estão evoluindo

5g em sp Conectividade

Regulação do 5G em SP avança para 242 cidades

Estado de São Paulo fecha 2023 com mais cidades legalizando a quinta geração de telefonia móvel

conectividade e inclusão digital Conectividade

Conectividade e inclusão digital estão no caminho das cidades inteligentes

Em 2023, 84% dos brasileiros tiveram acesso à internet, mas 29 milhões de pessoas ainda não têm conectividade

brasil satelites Conectividade

Brasil tem potencial para ser líder em satélite na América Latina

Mercado brasileiro pode ocupar um pedaço da indústria espacial global, que deve chegar a US$ 1 trilhão em 2030