smart house

Smart houses: projetos mais ambiciosos devem sair do papel

3 minutos de leitura

5G amplia aplicações de assistentes digitais, iluminação inteligente, eletroeletrônicos e eletrodomésticos conectados



Por Redação em 14/10/2021

Boa parte das residências estão se tornando inteligentes com Wi-Fi, smart TVs, assistentes virtuais, fechaduras eletrônicas e outros dispositivos conectados. A estimativa é que tenhamos, hoje, algo em torno de 300 mil casas inteligentes no país, segundo a Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside). Mas com o 5G, o potencial é bem maior.

O país tem mais de 63,3 milhões de residências e, antes mesmo da chegada do 5G, programada para junho de 2022 nas capitais estaduais, a Aureside avalia que já temos potencial para um mercado de 1,8 milhão (seis vezes mais que o atual) de smart houses. “O principal avanços para as casas inteligentes é que poderemos dispensar o roteador e utilizar, ao mesmo tempo e sem prejuízo de velocidade ou qualidade de sinal, vários computadores, laptops, aparelhos de games, smart TVs, smartphones, smartwatches, etc”, disse o engenheiro mecânico e professor da ESEG, Chang Junior, em uma edição do Futurecom Digital

Segundo ele, além da maior qualidade do sinal, o 5G propiciará a adoção ampla de IoT (internet das coisas), aplicada em dispositivos que vão desde fechaduras eletrônicas até aspiradores de pó por comando de voz e geladeiras conectadas, capazes de fazer a gestão dos itens armazenados. 

Comodidade, segurança e sustentabilidade

Além da comodidade, os dispositivos inteligentes garantem mais segurança, por meio de sistemas de controle de acesso, sensores de presença, monitoramento remoto e alarmes inteligentes, por exemplo. 

Além disso, uma smart house tende a ser mais sustentável, uma vez que os dispositivos facilitam a gestão dos sistemas de iluminação e fornecimento de água e gás. É possível desligar a iluminação ou equipamentos (como ar-condicionado) à distância, por meio de aplicativos de gestão, acionar cortinas para controlar a temperatura e até integrar sistemas de energia solar e irrigação, entre outros. 

Já há inovações específicas, inclusive, para o público maduro. O objetivo é proporcionar maior autonomia a esses usuários. Exemplos vão de lâmpadas que acendem automaticamente ao detectarem movimentos, até gavetas de remédios com sensores programados, que avisam ao morador o horário da medicação.

Os robôs aspirador de pó é outro exemplo, que tem se popularizado, inclusive com modelos capazes de aspirar e passar pano em pisos, além de serem pré-programados por perímetros ou horário de funcionamento.

smart house tendencia

Casa Cor 2020 demonstrou uso de tecnologias integradas

No ano passado, a edição da Casa Cor teve como foco mostrar as tendências mais inclusivas e tecnológicas – que ganharam maior significado com a pandemia. Em um container, um estúdio apresentou as principais soluções para o setor, com dispositivos integrados e conectados. 

Na ocasião, Camilla Simon, fundadora da agência Moulin, que executou o projeto, explicou que “as pessoas querem afetividade, conforto, espaços mais inteligentes, praticidade e tecnologia para se conectar – com elas mesmas e com o mundo – sem sair de casa.”

“Estamos em um momento de usar a casa. E, por causa disso, surgiram muitas necessidades novas, nas quais a automação desempenha um papel extremamente importante”, disse o presidente da Associação Brasileira de Automação Residencial e Predial (Aureside), José Roberto Muratori, em entrevista ao Jornal O Estado de São Paulo. Ele citou como exemplo a necessidade de conectividade e produtividade para o home office.

Conforme a Aureside, projetos do gênero já saíram do papel em algumas das principais cidades brasileiras. Na capital paulista, por exemplo, a Yuny incorporou o sistema de automação como atrativo de um empreendimento imobiliário com entrega prevista para março de 2023. A tecnologia, que poderá ser integrada à assistente virtual Alexa, da Amazon, permitirá que os moradores controlem ar-condicionado e iluminação ou abrir e fechar as cortinas com um simples comando de voz.

Diferenças entre casa inteligente e automatizada

No primeiro caso, as residências precisam ser planejadas para incorporar a automação. No segundo, o próprio morador pode incorporar as mudanças – desde que, claro, exista conectividade em sua região.

Vale ressaltar que existem diferenças entre ter uma casa automatizada e uma casa inteligente. De acordo com reportagem do Estadão, a diferença consiste no fato de o usuário acionar (mesmo que remotamente) os dispositivos ou não. “Por exemplo, a palavra ‘cineminha’ pode ser programada para acionar diversos aparelhos instantaneamente: luzes, pipoqueira e televisão. Porém, isso exige alguma preparação. No caso da pipoqueira, ela precisa estar conectada em uma tomada inteligente – e com milho”, destaca a matéria, explicando que em uma casa automatizada o usuário precisa acionar os dispositivos, mas em uma inteligente eles conversam entre si e atuam a partir de um modelo mais proativo, normalmente gerenciados por um sistema de inteligência artificial. 



Matérias relacionadas

ciberseguranca Estratégia

Big Data Analytics e Inteligência Artificial são pilares da cibersegurança

Para a Gartner, a análise de dados e soluções automatizadas são determinantes para a proteção de dados e estratégias de segurança digital

ciberseguranca pmes Estratégia

Falta de cibersegurança causa efeitos notórios nas PMEs, mostram pesquisas

Mais de 27% das pequenas e médias empresas (PMEs) não colocam a cibersegurança como prioridade no orçamento

migracao para cloud Estratégia

5 erros na migração para cloud

Planejamento e equipe capacitada estão entre os principais cuidados para as organizações que desejam fazer a migração para cloud

Ásia tecnologia Estratégia

Lições da Ásia para o futuro da tecnologia

Estudo aponta que haverá mais 900 milhões de usuários de internet na Ásia até 2025, o que demanda investimentos de mais US$ 151 bilhões em TI até esta data