usar a ia

“A melhor maneira de introduzir a IA é lentamente”, dizem economistas do MIT

2 minutos de leitura

A implantação da inteligência artificial de forma mais lenta provavelmente será melhor alternativa



Por Redação em 21/07/2023

A popularização de machine learning para inteligência artificial (IA) vem gerando inúmeras discussões. Entre elas, o fato de ainda não haver regulamentação. O uso de inteligência artificial está avançando em grandes proporções e há uma grande preocupação em torno disso. Seria possível desacelerar a tecnologia ou a alternativa seria usar a IA lentamente?

Recentemente uma “Carta de trégua na IA” foi assinada por milhares de líderes da tecnologia e especialistas em inteligência artificial, pedindo uma espécie de pausa nos estudos. A justificativa foi a de que o crescimento desenfreado de iniciativas usando inteligência artificial poderia trazer consequências para a humanidade. 

Contudo, um fato ainda mais recente chamou a atenção do público consumidor de tecnologia em geral. Sam Altman, fundador e CEO da OpenAI, declarou ao portal americano QZ que a intervenção regulatória dos governos será fundamental para mitigar os riscos de modelos cada vez mais poderosos. De acordo com a notícia, uma pesquisa publicada em 2022 revelou que os próprios “especialistas em IA” produziram uma estimativa mediana de desastre existencial em 10%. O fato é que não faltam exemplos desses riscos (que ainda são problemas), desde advogados citando casos falsos até meios de comunicação publicando notícias sem checar a fonte citada pela IA.

Usar a IA lentamente pode ser o caminho

De acordo com Daron Acemoglu, professor de economia do MIT, e Todd Lensman, estudante de pós-graduação do mesmo instituto, a implantação de forma mais lenta provavelmente será melhor. Além disso, “uma taxa de aprendizado de máquina, combinada com restrições específicas do setor sobre o uso da tecnologia, poderia fornecer os melhores resultados possíveis”. A conclusão veio de um primeiro modelo econômico elaborado pelos dois.

No estudo, Acemoglu e Lensman rascunharam algumas suposições sobre aquilo que chamam de tecnologia transformadora. “Ela pode aumentar a produtividade em qualquer setor em que for usada, mas também pode ser mal utilizada (intencionalmente ou não) para criar um desastre”. Por isso, os autores afirmam que a melhor maneira de adotar a IA é de forma gradativa, uma vez que isso possibilita maior tempo de aprendizado sobre os possíveis benefícios e riscos.

Leia também:

– 5G e LTE: existem diferenças entre essas duas tecnologias? 

Para os autores, à medida que os riscos forem diminuídos, a IA poderá ser implementada em toda a economia. De fato, segundo os autores, se a IA não puder ser controlada, é melhor que isso seja compreendido antes de a tecnologia ser utilizada em grande escala.  

Para os economistas do MIT, um caminho viável para seguir combinaria algum tipo de imposto sobre tecnologias transformadoras. Ou seja, os novos tributos seriam capazes de desacelerar o uso de IA, limitando-a a setores específicos e com baixo risco. “Essa abordagem, no estilo ‘sandbox regulatório´, já é comum com novas tecnologias, e pode ajudar a atrasar a adoção de machine learning por setores de alto risco, até que possamos entender melhor a tecnologia”.



Matérias relacionadas

porto maravalley Inovação

Rio de Janeiro cria hub tecnológico Porto Maravalley

Presença de startups e curso superior do IMPA, dentre outras inovações, trarão novas oportunidades à zona portuária do Rio de Janeiro

ia generativa Inovação

IA generativa está entre as tendências de 2024

Na lista de tecnologias que devem se destacar em 2024, a IA generativa se destaca. Porém, para especialistas, ainda há desafios a superar

ia generativa idc Inovação

Gastos com IA generativa chegarão a US$ 143 bilhões em 2027

Avaliação da consultoria IDC mostra crescimento acima das taxas de TI

Odelio Horta Inovação

Futuro da IA é a promoção do bem-estar humano, defende Odélio Horta Filho

Executivo explica a importância da governança de dados, com base nas tecnologias habilitadoras, como a nuvem, para que órgãos públicos extraiam o melhor da IA em prol da sociedade