5g ciberseguranca

5G amplia desafios à cibersegurança

3 minutos de leitura

Ao mesmo tempo que aumenta a velocidade, reduz a latência e habilita inovações, a tecnologia requer uma maior gestão de riscos cibernéticos nas organizações



Por Redação em 30/08/2023

A conectividade 5G está redefinindo o cenário das telecomunicações, prometendo velocidades ultra rápidas, baixa latência e uma infinidade de possibilidades de aplicações para empresas e consumidores. No entanto, essa evolução tecnológica traz também desafios para a cibersegurança, à medida que as redes se tornam mais complexas e as ameaças se multiplicam.

Especialistas que participaram em painel sobre 5G e Segurança no Telco Transformation Latam, nesta semana, no Rio de Janeiro, pontuaram a cibersegurança como uma prioridade inegociável e cada vez mais crítica na era do 5G. Eles concordam que a inovação constante é essencial, assim como a integração da segurança com a estratégia de negócios. Além disso, o equilíbrio entre experiência do cliente e segurança é considerado fundamental em meio a um cenário cada vez mais interconectado.

Assim, à medida que o 5G se expande e as redes se tornam mais complexas, a colaboração entre CISOs (executivos responsáveis por segurança da informação), reguladores e empresas se torna crucial para criar um ecossistema seguro e confiável. Afinal, a tecnologia só pode ser verdadeiramente aproveitada quando os riscos associados são compreendidos, mitigados e gerenciados de maneira eficaz.

Embratel atua na maturidade das empresas

O diretor de Segurança Soluções Digitais da Embratel, Paulo Martins, foi justamente nessa direção. Ele destacou o desafio de garantir baixa latência a todas aplicações possíveis sem comprometer a segurança. Para ele, o 5G pode ser um “míssil digital” se cair nas mãos erradas. Martins também ressaltou a importância da “IA do Bem” para contrapor ameaças e a necessidade de padronização e regulamentação na rede de dispositivos IoT.

Para o executivo da Embratel, as empresas precisam entender os riscos inerentes à tecnologia e mitigá-los. Nesse sentido, ele conta que a empresa tem ajudado a aumentar a maturidade de segurança de seus clientes. Martins traz consigo a bagagem de quando era CISO da Claro e quer levar essa mesma abordagem aos clientes da Embratel. Ele citou como exemplo a prestação do serviço de monitoramento e tratamento de incidentes de segurança a partir do framework Nist.

“Ataque não é uma questão se vai acontecer. É quando. Por isso, o monitoramento é fundamental. (Não monitorar) é como construir um prédio como esse (apontando o centro de convenções do Hotel Windsor Oceânico, no Rio) e não instalar um sistema de detecção de incêndio”, exemplificou, acrescentando que, além de evitar incidentes, a Embratel habilita os clientes a se recuperarem quando eles ocorrem.

Leia também:
Incidentes cibernéticos: 10 dicas práticas do que não fazer

“IA do bem” é a nova fronteira da cibersegurança

IA amplia possibilidade da cibersegurança

5g ciberseguranca

Para Claudio Creo, CISO da TIM, o 5G exige uma abordagem inovadora para a segurança. Ele destaca que, embora as funções tenham evoluído de “caixas fechadas” para soluções virtuais, os princípios básicos da proteção de ativos permanecem constantes. Segundo ele, a inovação é vital na cibersegurança, uma vez que a corrida para acompanhar as tecnologias emergentes é uma questão de sobrevivência.

Rodrigo Fernandes, diretor da Prática de Segurança da Logicalis Brasil, também acredita que a virtualização trazida pelo 5G amplia as vulnerabilidades. Ele enfatiza a importância de modelos de acesso abrangentes e destaca o papel da Inteligência Artificial (IA) na proteção das Interfaces de Programação de Aplicativos (APIs). Além disso, Fernandes aborda a complexa tarefa de equilibrar a experiência do cliente e a segurança.

A visão de Adrian Judzik, CISO da Telecom Argentina, se concentra na expansão da superfície de ataque trazida pelo 5G. Ele observa que a sofisticação dessa tecnologia também traz vulnerabilidades, tornando a proteção de dados e a regulamentação essenciais. Além disso, Judzik destaca a importância de entender as novas formas de IA e de se concentrar na cadeia de suprimentos de software.


E-book gratuito: saiba como implementar uma cultura de cibersegurança na sua empresa

Saiba mais


Matérias relacionadas

cidades mais inteligentes do Brasil Conectividade

Quais são as cidades mais inteligentes no Brasil

Entenda como o Ranking Connected Smart Cities avalia quais são as cidades mais inteligentes do Brasil e como elas estão evoluindo

5g em sp Conectividade

Regulação do 5G em SP avança para 242 cidades

Estado de São Paulo fecha 2023 com mais cidades legalizando a quinta geração de telefonia móvel

conectividade e inclusão digital Conectividade

Conectividade e inclusão digital estão no caminho das cidades inteligentes

Em 2023, 84% dos brasileiros tiveram acesso à internet, mas 29 milhões de pessoas ainda não têm conectividade

brasil satelites Conectividade

Brasil tem potencial para ser líder em satélite na América Latina

Mercado brasileiro pode ocupar um pedaço da indústria espacial global, que deve chegar a US$ 1 trilhão em 2030