5G no futuro

5G: futuro habilitará robôs, carros automatizados e telemedicina

2 minutos de leitura

Empresas usam internet mais estável e veloz para oferecer novas tecnologias e serviços digitais



Por Redação em 04/11/2022

A consolidação do uso do 5G permitirá o desenvolvimento de novas tecnologias e serviços digitais em todo o mundo. O novo padrão garante conexão mais rápida e de baixíssima latência, o que permitirá que robôs, carros autônomos, indústria 4.0 e soluções de telemedicina, dentre outras, sejam amplamente utilizados pela população.

O futuro do 5G será marcado também pelo uso de redes corporativas privadas. Empresas como a Huawei, por exemplo, já testam os impactos da internet mais veloz no gerenciamento de robôs.

Atualmente, a gigante chinesa utiliza o 5G para administrar máquinas automatizadas, que operam em um centro de logística localizado em Sorocaba (SP). A adoção do 5G no local permitiu que os robôs funcionassem sem a interrupção da internet, trazendo melhorias significativas para a empresa.

5G garante maior produtividade

No geral, a eficiência operacional do centro de logística da Huawei aumentou em 25% com o uso de robôs. O tempo do ciclo de produção foi reduzido em 30% com a adoção do novo padrão de conectividade, que impactou também a eficiência do giro de estoque em 20%.

A Huawei destacou ainda que a rede testada pela empresa eliminou totalmente o uso de papel no controle manual da logística de mercadorias. Além disso, os robôs erradicaram erros operacionais na unidade de Sorocaba.

Leia também:

– A caminho dos smartcars

Telemedicina e carros automatizados

O 5G será responsável pela ampliação de serviços de telemedicina no Brasil. A prática, regulamentada no país no início de 2022, deve ser aprimorada com o uso da internet de dados de baixa latência.

A estabilidade da rede 5G resultará na oferta de uma conexão mais segura, rápida e confiável para consultas online e cirurgias remotas. Em São Paulo, o projeto OpenCare 5G está testando a internet na automação do serviço de tomografia e de ultrassom no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP).

Foram instaladas duas antenas 5G no local e a performance da rede será avaliada pelo OpenCare 5G durante os próximos dois anos. A proposta do projeto é criar um serviço de avaliação remota de laudos médicos e exames.

Já na companhia Vale do Rio Doce, veículos automatizados estão se transformando em realidade com o uso de tecnologias disruptivas no Brasil. A empresa possui um projeto digital que gerencia um sistema de sete robôs móveis, no qual as máquinas operam inspecionando a manutenção de equipamentos da mineradora.

Embora o futuro do 5G represente um avanço tecnológico para empresas que apostam em inovação digital, a adoção da internet de dados de baixa latência acontece de forma gradativa no país.

Segundo entrevista de Giovanni Cerri, presidente dos Conselhos dos Institutos de Radiologia (InRad) e do InovaHC do HCFMUSP, para o Uol, o país necessita investir mais em infraestrutura da rede 5G.

Enquanto isso, a consultoria IDC Brasil realizou uma pesquisa chamada “Futuro da Conectividade do Consumidor na América Latina”, que mostra que apenas 22% dos entrevistados pretendem usar o 5G nos próximos dois meses.



Matérias relacionadas

industria de chips Conectividade

Governo oferece R$ 100 milhões para estimular indústria de chips no Brasil

Edital Mais Inovação Semicondutores foi lançado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep)

cidades mais inteligentes do Brasil Conectividade

Quais são as cidades mais inteligentes no Brasil

Entenda como o Ranking Connected Smart Cities avalia quais são as cidades mais inteligentes do Brasil e como elas estão evoluindo

5g em sp Conectividade

Regulação do 5G em SP avança para 242 cidades

Estado de São Paulo fecha 2023 com mais cidades legalizando a quinta geração de telefonia móvel

conectividade e inclusão digital Conectividade

Conectividade e inclusão digital estão no caminho das cidades inteligentes

Em 2023, 84% dos brasileiros tiveram acesso à internet, mas 29 milhões de pessoas ainda não têm conectividade